CEO agora diz que Pesce não começou Lemon, mas pode ser chamada cofundadora

Do UOL, em São Paulo

  • Leticia Moreira/ Folhapress

A brasileira Bel Pesce, a "Menina do Vale [do Silício]", dona de uma escola de empreendedorismo e que faz palestras ensinando como abrir o próprio negócio, está tendo sua história empresarial e sua formação acadêmica questionadas.

Em reportagens publicadas na imprensa brasileira nos últimos anos, incluindo o UOL, foi divulgado que ela fundou a empresa americana Lemon (aplicativo de finanças pessoais) e que tinha cinco graduações no conceituado MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, EUA): engenharia elétrica, ciências da computação, administração, economia e matemática.

Na verdade, Pesce é considerada, por um acordo, "membro da equipe fundadora da Lemon" (mas não concebeu a ideia, não estava no time original, nem é a única fundadora, como os textos publicados davam a entender). Além disso, tem duas graduações, e não cinco.

Ela nega que tenha mentido e diz que houve um mal-entendido, mas ela própria mudou o currículo em sua página na internet.

UOL entrevistou a jovem em 2012 (veja aqui e aqui). Quando surgiram dúvidas e informações contraditórias sobre o caso, esses dados foram suprimidos por um tempo dos textos originais. Posteriormente, foram corrigidos (veja as correções para um texto e para o outro).

Empresário mudou versão após confusão

Um dos fundadores da Lemon, o empresário Wences Casares, também deu informações contraditórias sobre a participação de Pesce na empresa. Primeiro, ele disse que ela só trabalhou lá em 2012, mas não foi fundadora.

Nesta segunda-feira (5), seis dias depois de sua primeira versão e diante da repercussão do caso, Casares admitiu ter dado uma informação imprecisa e disse que Pesce trabalhou na empresa desde 2011 e que, apesar de não estar na equipe original de fundação, poderia ser chamada de "membro da equipe fundadora", porque ela pediu isso e eles fizeram um acordo.

O UOL entrou em contato com Casares pelo Facebook na terça-feira (30). Ele respondeu na quarta-feira (31), afirmando que a empresa foi fundada em outubro de 2011 e que Pesce trabalhou lá entre março e dezembro de 2012. Ela, no entanto, alegava ter entrado no negócio em agosto de 2011. O aplicativo foi vendido em 2013 por cerca de US$ 42 milhões.

Casares divulgou a mesma informação passada ao UOL em seu Twitter, mas esse dado foi removido depois (abaixo, veja um print de seu post). Ele diz, resumidamente: "A Lemon foi fundada em outubro de 2011. Bel Pesce trabalhou lá em desenvolvimento de negócios, de março a dezembro de 2012".

Reprodução/Twitter

Nesta segunda-feira (5), Casares mudou sua versão, disse que se enganou e que apagou o tuíte para verificar direito a história. Ele afirmou que Pesce não fazia parte da primeira equipe, mas se juntou depois. E, como outras pessoas que chegaram depois também, houve um acordo para que todos pudessem ser chamados de "membros da equipe fundadora" (leia aqui o tuíte em inglês: http://zip.net/bqts6T).

Reprodução/Twitter

Leia a tradução do tuíte de Casares

"Para responder às perguntas que tenho recebido sobre @belpesce. Não vou responder mais a nenhuma pergunta (desculpe, muito ocupado)."

"Nas duas últimas semanas, tenho sido repetidamente questionado no Twitter, Facebook, e-mail, WhatsApp, etc. sobre o papel de Bel Pesce na Lemon Wallet. Inicialmente, eu apenas tuitei algumas datas de memória, que eram aproximadas, mas não exatas. Continuo recebendo pedidos de informações mais precisas, então eu apaguei meus tuítes com as informações aproximadas e perguntei a colegas e busquei velhos e-mails e arquivos para chegar às informações exatas e estou postando isso aqui."

"A Lemon Wallet foi fundada em um encontro em maio de 2011. A reunião foi em um rancho chamado "La Candelaria", que fica na província de Buenos Aires, na Argentina. As pessoas presentes no local, além de mim, eram: Federico Murrone, Martin Apesteguia, Fabian Cuesta, Cindy McAdam, Ale Lopez, Wiki Chavez, Matt Murphy, Cole Mercer, Marissa Kimball, Ursula Sanchez, Angie Diaz, Martin Rubi, Dardo Gonzalez, Andres Tarsi, Fer Taboada."

"Com essa equipe original, tivemos a ideia inicial da Lemon Wallet. Nos dois meses seguintes, contratamos mais duas pessoas, levantamos recursos e desenvolvemos o primeiro produto, que foi lançado como uma versão de teste limitada em julho de 2011."

"Em agosto de 2011, Bel Pesce se juntou a nós para cuidar do desenvolvimento do negócio. Ela pediu para ser uma cofundadora da Lemon Wallet, então nós acordamos que todas as pessoas que faziam parte da equipe da Lemon Wallet em agosto de 2011, incluindo Bel, poderiam se intitular "membros da equipe fundadora da Lemon Wallet".

"Bel deixou a Lemon Wallet em fevereiro de 2013 e a companhia foi comprada em dezembro de 2013."

Bel Pesce mudou seu currículo após episódio

Pesce mudou sua página na internet depois da confusão (www.belpesce.com.br/sobre). Antes, dizia que "fundou empresas". Agora, afirma que foi "parte do time de fundadores'.

Veja print do currículo original de sua página, onde dizia que "fundou empresas - como a startup Lemon".

Reprodução/Site Bel Pesce

Agora confira abaixo o currículo modificado para "parte do time de fundadores de empresas (Lemon)":

Reprodução/Site Bel Pesce

Pesce diz que está "ajustando" a biografia

O UOL tentou falar com Bel Pesce por cinco dias, entre quarta-feira (31) e domingo (4), antes de publicar esta reportagem, mas ela não respondeu.

Na sexta-feira (2), ela publicou uma resposta coletiva no "Medium" (leia o texto neste link seguro e encurtado: http://bit.ly/2bMEdpm).

No texto, sustenta que foi fundadora da Lemon. "Em 11 de Julho de 2011, recebi uma oferta para fazer parte da Bling Nation, que depois viria a se tornar a Lemon. Meu principal trabalho seria Head of Business Development. Fui chamada explicitamente para ser parte do time de fundadores junto com outras pessoas que já eram parte da empresa no momento que entrei. Comecei a trabalhar em agosto de 2011."

A assessoria de imprensa de Pesce só entrou em contato com o UOL nesta segunda-feira, depois da publicação desta reportagem no domingo.

Sobre a troca de texto em seu site, não mais dizendo que "fundou", mas que foi "parte do time de fundadores", a assessoria disse tratar-se de um "ajuste": "A biografia no site está sendo ajustada no sentido de deixar os textos mais específicos e menos genéricos, justamente para sanar qualquer dúvida".

Empreendedora não corrigiu erro por 4 anos

O UOL questionou a assessoria o fato de não terem corrigido informações consideradas erradas quando elas eram favoráveis a Pesce. As reportagens do UOL ficaram mais de quatro anos no ar informando que ela tinha cinco graduações pelo MIT (embora só tenha duas). O UOL nunca foi procurado para corrigir isso. No caso das denúncias contra Pesce, porém, a assessoria pediu a correção em um dia.

A assessoria respondeu o seguinte: "Sempre que possível a empreendedora tentou explicar a sua formação. Com estes questionamentos recentes, ela se esforçou para deixar muito claro toda a sua formação."

MIT confirma duas graduações, e não cinco

Antes da resposta publicada por Bel Pesce no "Medium", o UOL estava investigando a história, ao longo da semana passada. A reportagem obteve um documento do próprio MIT que mostra que ela tem dois diplomas, e não cinco.

O MIT também confirmou que, durante o período em que esteve na universidade, entre 2006 e 2010, ela fez matemática e economia, porém, em cursos compactos, não graduações.

Ela tem diplomas ("major", nos EUA) em dois cursos: "administração" e "engenharia elétrica e ciências da computação" (este último é um curso só, e não dois, como dava a entender).

Ela fez também outros dois cursos compactos ("minor" nos EUA): economia e matemática. Esses não são graduações de universidade como conhecemos.

No "Medium", Pesce confirma que não tem cinco graduações, mas duas. Ela admite que divulgou ter feito cinco "cursos" no MIT, mas alega que não quis dizer graduações, e que a confusão pode ter acontecido por causa das diferenças entre os sistemas americano e brasileiro de educação.

"Se em algum momento, posicionar que tenho cursos em engenharia elétrica, ciências da computação, administração, economia e matemática pode ter feito alguém se sentir ofendido, desculpe. Sempre que possível eu clarifiquei, mas [...] imagino que certas vezes realmente não tenha ficado claro", diz Pesce em sua resposta.

Contestação após ideia de hamburgueria

A contestação do currículo da brasileira começou com um texto na internet publicado pelo blogueiro brasileiro Izzy Nobre (veja aqui: http://bit.ly/2ccRIDh). Ele apontou contradições na formação acadêmica e na experiência profissional de Pesce.

Ele investigou a história depois da malsucedida tentativa de um financiamento coletivo para criar a hamburgueria Zebeléo, na qual ela seria sócia de Leonardo Young, vencedor do programa MasterChef, e de Zé Soares. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos