Bolsas

Câmbio

Poupança, renda fixa, dólar, ações: saiba onde investir seu dinheiro agora

Sophia Camargo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Shutterstock

Com os juros no atual nível, quem tem dinheiro para investir deve dar preferência à renda fixa, recomendam especialistas.

Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da TOV Corretora, afirma que o cenário está bastante positivo para aplicações em renda fixa e muito incerto para o mercado de ações.

"Recomendo que o investidor evite o crédito privado (como CDB e LCIs, por exemplo) e dê preferência para os títulos do Tesouro Direto", diz.

Para Paulo Figueiredo, diretor de operações da FN Capital, uma taxa de juros alta torna a renda fixa muito atraente, especialmente os títulos do Tesouro que pagam uma remuneração atrelada à taxa Selic.

Leandro Martins, estrategista da Rico Corretora, aconselha a compra de ações apenas quando o Ibovespa ultrapassar os 50 mil pontos (o indicador fechou em 47.025,87 pontos nesta quarta-feira). "Enquanto isso, é melhor aguardar."

Veja, a seguir, mais dicas dos especialistas:

Poupança deve ser evitada

Shutterstock

  • Com alta dos juros, perde competitividade diante dos fundos de renda fixa, até mesmo daqueles que têm altas taxas de administração, acima de 1%
  • Paga rendimento fixo de 0,5% ao mês mais TR. Por isso, não tira proveito da alta dos juros
  • Aplicação só é melhor do que manter o dinheiro na conta-corrente; perde para todos os demais investimentos em renda fixa
  • Até setembro, a poupança perdeu R$ 53,8 bilhões em recursos

Tesouro Direto é aplicação do momento

Alan Marques/Folhapress

  • Tesouro Selic, que acompanha a alta dos juros, é aplicação mais recomendada
  • Não sofre com a marcação a mercado, que altera o preço do papel diariamente para baixo ou para cima
  • Como sempre tem uma rentabilidade positiva, é indicado para o dinheiro de mais curto prazo
  • Tesouro IPCA+, indexados à inflação, é opção para se proteger do custo de vida e garantir juro prefixado
  • Tesouro Prefixado, cuja rentabilidade já é conhecida do investidor no momento da compra, é opção para diversificar
  • No Tesouro IPCA e Prefixado, preste atenção ao prazo de vencimento. Quem tirar o dinheiro antes pode perder rendimento
  • Silveira sugere colocar 40% em Selic e o restante dividir entre Prefixado e IPCA +

LCAs e LCIs são isentas de IR

Getty Images

  • A maior vantagem é a isenção de IR
  • Desvantagem: manutenção do dinheiro aplicado por um período (em geral, três meses)
  • Está difícil encontrar papéis para aplicar, por causa da retração do mercado imobiliário e possibilidade de tributação
  • Figueiredo e Martins recomendam papéis que paguem pelo menos 95% do CDI
  • Silveira desaconselha o investimento, pois o mercado imobiliário está "derretendo"

CDBs: bancos menores pagam mais

Shutterstock

  • Melhor optar pelos pós-fixados, para acompanhar a alta dos juros
  • Ideal é que a aplicação pague acima de 105% do CDI; há bancos que pagam até 120% do CDI
  • Bancos maiores costumam pagar entre 85% e 90% do CDI; nesse caso, rendimento é inferior ao do Tesouro Direto
  • Para obter mais rentabilidade, procure bancos menores. Para aceitar esse risco, é aconselhável limitar o valor do investimento a R$ 250 mil, atual garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC)

Bolsa: investimento de longo prazo

Shin Shikuma/UOL

  • Para quem não conhece o mercado, não é hora de entrar
  • Para quem quer investir no longo prazo, para além de 2017, especialistas dizem que há empresas baratas e com bons fundamentos
  • Sugestão de investimento: bancos, grandes exportadoras, siderúrgicas, seguradoras

Dólar: só compre se tiver despesas na moeda

Shutterstock

  • Quem tem gastos já programados em dólar, como estudos ou viagens, pode ir comprando a moeda aos poucos, para fazer um preço médio
  • Se a viagem estiver próxima, terá de comprar de uma vez para não correr riscos
  • Para quem quer investir, há opções como fundos cambiais e fundos nacionais que aplicam na moeda estrangeira

UOL Cursos Online

Todos os cursos