Bolsas

Câmbio

Processo de impeachment

Sai Dilma, entra Temer: onde investir seu dinheiro? Especialistas respondem

Sophia Camargo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

Com a decisão do Senado, Dilma Roussef fica afastada do governo por até 180 dias, período em que Michel Temer assume a Presidência. Como fica o mercado financeiro? Onde é mais seguro investir nesse período?

O UOL ouviu três especialistas: José Cláudio Securato, economista e presidente da Saint Paul Escola de Negócios; Leandro Martins, estrategista da Rico Corretora, e Marcio Cardoso, sócio-diretor da Easynvest Corretora.

A expectativa de aprovação do impeachment já fez a Bolsa subir e o dólar cair bastante nos últimos meses, segundo Cardoso. "Agora, o mercado precisa de algo novo, e esse algo novo podem ser medidas que sejam efetivamente tomadas, porque o país está parado."

Martins tem opinião semelhante. "O mercado é guiado por expectativas. Agora o que será nosso combustível são os nomes da nova equipe econômica e dos ministérios."

O afastamento da presidente Dilma é como se fosse o fim de um tsunami: no dia seguinte está tudo horrível, mas está todo mundo feliz porque pelo menos acabou. Mas tsunamis e terremotos podem voltar, pois a Lava Jato ainda deve trazer mais revelações.

José Cláudio Securato, economista

Onde investir?

O conselho dos especialistas para os investidores é manter a maior parte dos investimentos na renda fixa, preferencialmente em títulos do Tesouro Direto. Veja abaixo a análise para as principais aplicações.

Tesouro Direto
Alan Marques/Folhapress

Os títulos do governo foram a aplicação mais recomendada pelos três especialistas. Securato sugere investir nos títulos pós-fixados, que acompanham os juros (Selic). Martins e Cardoso sugerem o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA+, indexado à inflação. Veja como investir: http://zip.net/bvthcx (link encurtado e seguro).

Fique atento ao vencimento do papel no caso do Tesouro IPCA+ e do Tesouro Prefixado. Quem tirar o dinheiro antes desse prazo pode perder rendimento por conta da marcação a mercado, que altera diariamente o preço do papel para baixo ou para cima.

O investimento paga Imposto de Renda de acordo com o período de aplicação:

  • Até 180 dias = 22,5%
  • De 181 a 360 dias = 20%
  • De 361 a 720 dias = 17,5%
  • Acima de 720 dias = 15%

CDB
Thinkstock

O investidor deve aplicar em CDB se ele der um retorno de, no mínimo, 95% do CDI para um ano, diz Martins. Bancos menores pagam melhor; segundo Cardoso, é possível encontrar rentabilidades de até 120% do CDI. Porém, o risco é maior. Então, mantenha os investimentos dentro do limite de cobertura de R$ 250 mil do Fundo Garantidor de Créditos (FGC, que devolve o dinheiro se o banco quebrar, dentro do limite de cobertura).

O CDB não tem taxa de administração, mas paga IR, conforme o período:

  • Até 180 dias = 22,5%
  • De 181 a 360 dias = 20%
  • De 361 a 720 dias = 17,5%
  • Acima de 720 dias = 15%

Fundos de Renda Fixa
Shutterstock

É preciso tomar cuidado com as taxas. O desejável em fundos DI é que a taxa de administração não passe de 0,5% ao ano, segundo Securato. Se a taxa for maior que 0,5%, ele recomenda investir no Tesouro Direto. Os fundos não têm a cobertura do FGC.

Quanto mais tempo deixar o dinheiro, menor será o IR:

  • Até 180 dias = 22,5%
  • De 181 a 360 dias = 20%
  • De 361 a 720 dias = 17,5%
  • Acima de 720 dias = 15%

LCI e LCA
Shutterstock

As letras de crédito imobiliário (LCI) e as letras de crédito do agronegócio (LCA) são opções atraentes pela isenção do IR e a segurança do FGC. Porém, está difícil encontrá-las no mercado. Uma desvantagem é que é preciso deixar o dinheiro por pelo menos seis meses. Securato diz que o investidor deve aceitar papéis que paguem, no mínimo, 85% CDI para um ano. Martins sugere 90% do CDI.

Para Cardoso, não vale a pena investir em LCIs neste momento. "Elas estão pagando IPGM mais juros fixos. É preferível receber o IPCA", diz.

Poupança
Shutterstock

Apesar de ser isenta de IR e taxa de administração, a poupança não é um bom investimento quando os juros estão altos, porque sua remuneração é fixa em 0,5% ao mês mais TR. Tem a segurança do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que paga até R$ 250 mil para o investidor se o banco quebrar.

Tira tudo de lá e procure investimentos de boa qualidade.

Marcio Cardoso, sócio-diretor da Easynvest

Para Cardoso, a poupança não é válida nem para administrar o dinheiro do dia a dia, pois se o dinheiro for retirado antes de 30 dias não terá qualquer rentabilidade.

Ações
Tony Gentile/Reuters

Os analistas acreditam que a Bolsa deve continuar a subir, mas a intensidade da alta vai depender do sucesso das medidas econômicas do novo governo. Para os iniciantes, a recomendação é procurar um gestor especializado e colocar apenas de 1% a 2% do capital para começar a entender o mercado.

Securato afirma que é possível investir em ações que tenham bons fundamentos. "Há empresas que são muito boas, mas estão subavaliadas pelo mau momento da economia", diz. Ele indica ações de bancos e empresas de educação e celulose. Por outro lado, não recomenda construção civil e empresas de bens de consumo e varejo, que ainda devem demorar para se recuperar.

Cardoso diz que é melhor aguardar até o fim do ano para começar a investir em ações, pois a renda fixa remunera bem, com risco menor. Para quem quer manter algum dinheiro em ações, ele sugere investir em Certificações de Operações Estruturadas (COE), mas apenas investidores com mais conhecimento e experiência, pois não tem garantia do FGC e também exige carência para retirada do dinheiro.

Martins diz que vale a pena investir na Bolsa desde que seja em ações com mais liquidez (facilidade de compra e venda). Ele sugere papéis como Itaú Unibanco, Bradesco, Vale, Cielo e, até mesmo, Petrobras. "Mas sempre com diversificação", diz.

Dólar
Shutterstock

Para os especialistas, o dólar deve cair e ficar entre R$ 3 e R$ 3,50. Não é recomendado como investimento. O conselho é comprar apenas se for ter gastos na moeda, como viagens ou curso no exterior. Nesse caso, é melhor comprar aos poucos, para diluir o risco das variações.

Para quem quer ter algum investimento atrelado ao dólar, há a opção de fundos cambiais e fundos nacionais que aplicam na moeda estrangeira.

Fundos Imobiliários
Shutterstock

São condomínios de investidores em imóveis. O patrimônio pode ser composto por imóveis comerciais, residenciais, rurais ou urbanos, construídos ou em construção, que serão vendidos, alugados ou arrendados.

Para Securato, é uma boa oportunidade para entrar no mercado, pois as cotas estão desvalorizadas. Já Cardoso afirma que, apesar de alguns fundos terem carteiras muito boas, não se pode esquecer que o setor imobiliário está passando por uma situação difícil.

Hoje o aluguel paga menos do que a taxa de juros. E do que vive o fundo? De receber aluguel. E muitos imóveis, especialmente os comerciais, estão vazios.

Marcio Cardoso, sócio-diretor da Easynvest

Imóveis
Getty Images

Em 2016, imóvel deve ser oportunidade para quem tem dinheiro em caixa para pagar à vista ou oferecer uma boa entrada. "Os imóveis estão em baixa, mas devem se valorizar quando a economia melhorar. É um bom momento para entrar no mercado", diz Securato. Cardoso concorda. "É um bom momento para comprar. Se negociar, vai conseguir bons descontos", diz.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos