PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Está cheio de dívidas e ainda foi demitido? Aqui estão 10 dicas salvadoras

iStock
Imagem: iStock

Sophia Camargo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/08/2016 06h00

A recessão que dura dois anos já atinge chefes de família, os responsáveis pela principal fonte de renda dos lares. Se a pessoa já está cheia de dívidas e ainda é demitida, bate um desespero. Mas é preciso ter calma e seguir alguns passos básicos.

“A primeira dica é não entrar em pânico”, diz o consultor financeiro Fábio Barbalho, da Ponto C Consultoria. “É preciso avaliar com calma o que tem de reservas e dívidas, e elaborar um plano para recomeçar”, diz.

O UOL também ouviu o economista da Boa Vista SCPC Flávio Calife e o coordenador do Laboratório de Finanças do Insper, Michael Viriato, para orientar sobre o que fazer quando o desemprego (e as dívidas) batem à porta.

1) Faça as contas
Getty Images
Imagem: Getty Images

Some tudo o que tem de reservas financeiras e também quais recursos vai receber com a rescisão do contrato de trabalho, como FGTS, saldo de férias e salário, seguro-desemprego, aviso prévio. Some também todas as dívidas: parcelas de cartão de crédito, financiamento de carro e casa, empréstimos e contas a pagar. Verifique por quanto tempo o dinheiro vai cobrir essas despesas

2) Corte imediatamente os supérfluos
Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Corte todos os gastos desnecessários, como academia, TV a cabo, diminua alimentação fora de casa, gastos com lazer, manicure. Substitua a academia por caminhadas, faça você mesmo a manicure. Procure opções de lazer gratuito

3) Avise a família
iStock
Imagem: iStock

Calife afirma que muitos desempregados, por vergonha, não avisam a família que perderam o emprego, e isso pode complicar ainda mais a situação. “Todos precisam colaborar no corte de gastos e até mesmo nas ideias para ajudar a sair da situação”

4) Não quite as dívidas de uma vez
iStock
Imagem: iStock

Ainda que tenha dinheiro suficiente para quitar todas as dívidas de uma vez, é melhor não fazer isso, pois não sabe quanto tempo vai ficar desempregado.  Segundo Barbalho, o tempo de recolocação para pessoas com boa experiência aumentou. “Antes da crise era de uns 3 meses, mas agora chega a 8 meses”, diz. 

A proposta não é dar calote, mas continuar pagando em prestações, de preferência renegociando o valor das parcelas, com aumento do prazo. “Se tem uma dívida de R$ 5.000 que será quitada em dez meses, aconselho alongar para um prazo maior, como 24 meses, por exemplo, para diminuir o valor das parcelas e ter mais fôlego financeiro”, diz Barbalho.

5) Não adie a renegociação
Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Se já está com dívidas atrasadas ao perder o emprego, renegocie o mais mais rápido possível. “A pior coisa que tem quando se está endividado é adiar a solução, porque a dívida só aumenta”, diz Viriato.

Ele aconselha procurar a renegociação assim que ficar desempregado, mesma sugestão de Calife e Barbalho. O motivo, segundo Barbalho, é que os bancos avaliam a pontuação para concessão do crédito baseado no histórico do cliente. “Enquanto esse histórico mostra renda, a pessoa consegue crédito. Depois, vai ficar mais difícil”, diz.

6) Troque dívidas
Getty Images
Imagem: Getty Images

Se estiver endividado no cheque especial ou cartão de crédito, procure um empréstimo pessoal, que cobra juros mais baratos. Os juros do rotativo do cartão e do cheque especial podem fazer a dívida se tornar impagável em pouco tempo

7) Procure outra fonte de renda
Getty Images
Imagem: Getty Images

Além de procurar outro emprego o mais rápido possível, invista também nos bicos. Um talento pode virar uma fonte de renda: fazer bolos para fora, costurar, fazer consertos para os outros, virar motorista de um aplicativo de transporte. Um emprego com salário menor também é uma opção, pois diminui a pressão sobre os gastos e a pessoa pode procurar com mais tranquilidade

8) Use a criatividade, em vez de mais empréstimos

Se não estiver conseguindo pagar as contas, peça ajuda dos familiares. Alugar a própria casa e voltar a morar na casa da mãe ou da sogra não é a opção mais agradável, mas pode ser a saída para não se endividar até conseguir uma recolocação.

Uma outra alternativa é alugar a própria casa ou algum cômodo usando o aplicativo Airbnb, que dá a flexibilidade de alugar por dia e permite manter a mobília na casa. Em vez de pegar mais empréstimos, as pessoas podem usar criatividade, diz Barbalho. "É daí que vêm as ideias que atraem dinheiro."

9) Cuidado com o negócio próprio
Getty Images
Imagem: Getty Images

Abrir um negócio próprio pode ser uma saída para o desempregado, mas é preciso muito cuidado, alerta Calife. “Só vale para quem já conhece o mercado e estava se preparando para isso. Nesse caso, o desemprego é o empurrão que faltava”, diz. Mas é muito arriscado investir todas as economias em um mercado desconhecido. “A chance de ficar sem nada é grande.”

10) Aproveite o tempo
Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Com tempo de sobra, programe-se para fazer cursos de reciclagem e atualizar currículos e contatos. Barbalho conta que, quando ficou desempregado, dividiu seu tempo da seguinte forma: quatro horas procurando emprego e quatro horas dedicando-se a melhorar seu currículo e fazer atividades prazerosas como caminhar ou conversar com os amigos. "Dessa forma você diminui seu nível de estresse e se apresenta melhor para as entrevistas", diz.

Tecnologia ajuda na organização das finanças

Band Notí­cias

Economia