ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Site compara cartão de crédito e promete indicar o melhor para cada um

Paulo Gratão

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/03/2018 04h00

Cerca de 60% dos consumidores aceitam pagar anuidade no cartão de crédito se veem algum benefício em troca. Para mais da metade das pessoas, o plástico é utilizado para compras de eletrodomésticos e supermercados. As informações foram levantadas pelo Comparador de Cartões, uma das ferramentas criadas pela startup IQ360, que é parte do grupo norte-americano Red Ventures.

No site da startup, é possível encontrar comparadores de diversos produtos financeiros, mas o cartão de crédito, criado em janeiro deste ano, é responsável por metade dos acessos mensais, que somam 400 mil. A meta da empresa é atingir 4 milhões de pessoas no ano, sendo 40% em cartões.

Leia também:

Como funciona

Para saber qual a bandeira ideal para o seu perfil de consumo, o visitante responde a algumas perguntas que passam por renda média, hábitos de consumo com cartão de crédito, quais benefícios mais interessam e preferência por pagar ou não anuidade. O serviço exige cadastro de nome e e-mail.

Segundo Antônio Rocha, CEO da IQ360, já existem 115 tipos de cartão cadastrados na plataforma, de emissores como Itaú, Credicard, Santander, Nubank, Banco do Brasil, Caixa, entre outros. De acordo com ele, o potencial da ideia é justamente a carência de educação financeira do consumidor brasileiro. “A escolha de um cartão de crédito é uma conta difícil de se fazer. Como saber o valor de uma milha? As pessoas acabam indo no caminho mais simples, que é a recomendação de um gerente de banco”, explica.

O sistema rastreia e cadastra automaticamente novos cartões, mas a equipe também faz manualmente. Um novo recurso tem sido testado e deve ajudar a identificar novas bandeiras do mercado: o trocador de cartões. O cliente insere os dados do cartão que possui e pode fazer um comparativo com as opções disponíveis atualmente.

De acordo com Rocha, o objetivo da IQ360 é expandir para outras modalidades de decisões financeiras, como seguro de automóveis, ajudando o consumidor a trilhar caminhos mais saudáveis com o seu dinheiro.

Cartão não é vilão

Na visão do coordenador do MBA em gestão financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV), Ricardo Teixeira, o cartão de crédito deveria ser um recurso mais utilizado pelos brasileiros, até mesmo para compras cotidianas, mas esbarra na questão de educação financeira. “No curto prazo, a tendência é que se use menos dinheiro e mais cartão de crédito e aplicativos. Os próprios cartões devem migrar para o ambiente virtual. É a melhor opção para quem sabe se planejar financeiramente”, afirma.

Para não se enrolar em dívidas, o especialista aconselha que antes de realizar uma compra com o cartão de crédito, o consumidor tenha o dinheiro para pagar aquele débito e, de preferência, deixe rendendo em alguma aplicação. O maior benefício do cartão, em sua avaliação, é ganhar um prazo para pagar, enquanto o dinheiro rende. Além disso, a pontuação e programas de fidelidade ajudam o consumidor.

Teixeira diz que, para escolher o mais adequado ao seu perfil, é preciso avaliar quais serão os benefícios mais úteis, que podem ser milhas aéreas, pontuação para compras em lojas ou supermercados ou descontos diversos.

No entanto, ele chama atenção para os custos que um cartão com muitas vantagens pode ter. “Ao usar o cartão de crédito, a empresa está remunerando o emissor. Ele sempre ganha com suas compras. Por isso, o ideal é procurar um que não tenha taxas ou que tenha o menor custo possível”, aconselha.

Onde encontrar:

IQ 360 - https://www.iq360.com.br/cartoes

Banco Central orienta sobre tipos de cartão

UOL Notícias

Mais Economia