Só para assinantesAssine UOL

Americanas (AMER3) volta a adiar publicação de balanço; veja nova data

A Americanas (AMER3), em recuperação judicial, adiou novamente a publicação do balanço de 2022, que estava prevista para esta segunda-feira (13).

Em fato relevante, a varejista afirmou que publicará os resultados até a próxima quinta-feira (16), antes da abertura do mercado, data em que também deve realizar uma teleconferência com o mercado, em horário a ser divulgado.

Na teleconferência, além de discutir seus resultados, a Americanas vai atualizar sobre a evolução do seu plano de recuperação judicial, assim como apresentar o plano estratégico da companhia, que já está sendo implementado e que norteará seu desempenho operacional e financeiro futuros.

Ainda no texto, a Americanas informou que as demonstrações financeiras de 2021 e 2022 estão prontas, mas que o processo de aprovação nas instâncias internas não foi finalizado a tempo para que fossem publicados nesta segunda.

Vale lembrar que além dos resultados de 2022, a Americanas deve republicar os de 2021, devido às fraudes contábeis que levaram a companhia à recuperação judicial.

"A Americanas foi vítima de uma fraude sofisticada e muito bem arquitetada, o que tornou a compilação e análise de suas demonstrações financeiras históricas uma tarefa extremamente desafiadora e complexa", informou a varejista.

Americanas (AMER3) tem membros da administração multados e B3 (B3SA3) retira selo de Novo Mercado

Na semana passada, após finalizar um processo de sanção aberto desde março, a B3 (B3SA3) retirou o selo de Novo Mercado da Americanas e ainda multou 22 pessoas físicas da sua administração.

Desde 2018, quando o Regulamento do Novo Mercado foi estabelecido, a penalidade nunca havia sido aplicada. De acordo com a bolsa de valores brasileira, o segmento é exclusivo a "ações de empresas que adotam, voluntariamente, práticas de governança corporativa adicionais às que são exigidas pela legislação brasileira", com alto padrão de transparência.

Continua após a publicidade

Anteriormente, a Americanas já foi excluída dos índices da B3. A perda do selo, contudo, não implica na sua saída do Novo Mercado, ou seja, a varejista continua sujeita as regras do segmento.

Enquanto isso, as multas são destinadas a pessoas físicas ligadas à administração da companhia, como membros do conselho de administração da Americanas, de Comitê de Auditoria e diretores.

O valor das multas varia entre R$ 263 mil a R$ 395 mil. Neste último caso, a cinco pessoas físicas que ocupavam duas cadeiras. Somadas, equivalem a mais de R$ 6 milhões. A companhia e as pessoas físicas intimadas têm até 15 dias para recorrer das sanções impostas pela bolsa, contando a partir da última quarta-feira (8).

O que a suspensão do selo de Novo Mercado da B3 (B3SA3) significa para Americanas (AMER3)

A intenção da B3 (B3SA3) não é, neste momento, forçar a saída da Americanas (AMER3) da bolsa de valores, dado que este seria o desdobramento mais extremo desse processo. Para isso, seria necessária a abertura de um novo processo sancionador.

As infrações cometidas estão relacionadas a efetividade das estruturas de fiscalização e controles internos, efetividade da política de gerenciamento de risco, assim como, avaliação das informações financeiras e suas respectivas auditorias.

Continua após a publicidade

Esse processo ainda é uma repercussão da situação de crise e recuperação judicial que a companhia se encontra após a revelação de um rombo contábil na Americanas (AMER3) de R$ 25 bilhões, em janeiro deste ano.

Para retomar o selo, a varejista precisará sanar quesitos que quebraram os compromissos previstos nas regras do Novo Mercado, ou seja, divulgar o relatório do comitê independente, apresentar demonstração financeira com relatório do auditor independente sem ressalva, um relatório circunstanciado de controle interno auditado e sem inconsistência e atualizar as informações financeiras pendentes até hoje.

A decisão foi tomada no âmbito da diretoria dos emissores da B3, uma primeira instância dentro da bolsa. Os recursos apresentados à sanção aplicada serão discutidos pela diretoria colegiada.

Não há prazo previsto para cura dos descumprimentos feitos pela Americanas (AMER3), mas o não cumprimento das suas obrigações pode levar a abertura de um novo processo, culminando eventualmente à sua retirada das companhias listadas em bolsa.

Esse seria, conforme fonte, um movimento expressivo e complexo, uma vez que afeta posições de investidores. Por outro lado, o cumprimento das exigências será acompanhado, dando tempo à companhia e aos seus envolvidos de apresentarem seus argumentos, defesa e documentos que vierem a ser necessários.

A ideia é que seja respeitado o rito processual da B3 sobre o caso da Americanas (AMER3), evitando assim questionamentos adiante que coloquem por terra o trabalho sancionador feito pela bolsa até agora, observou uma fonte ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado).

Continua após a publicidade

Com informações de Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora