Só para assinantesAssine UOL

AES Brasil (AESB3): empresa estaria de saída do Brasil, diz colunista

A empresa AES Brasil (AESB3), de origem americana, estaria de saída do Brasil. A informação foi revelada pelo colunista do O Globo, Lauro Jardim.

Segundo o colunista, a AES contratou os bancos Itaú (ITUB4) e Goldman Sachs (GSGI34) para a venda de seus ativos em geração de energia elétrica.

O colunista lembra que o atual CEO Global da AES, André Gluski, comandava a subsidiária da companhia na capital da Venezuela no ano de 2007. Na ocasião, o executivo havia decidido que a companhia deveria se desfazer de tudo e sair da região.

A AES Brasil investe no Brasil desde 1997 e é uma geradora de energia elétrica totalmente renovável. Atualmente, a empresa possui 5,2 GW de capacidade instalada exclusivamente renovável.

Em comunicado à imprensa a respeito da nota de Lauro Jardim, a empresa disse: "A AES Brasil informa que, como já comunicado anteriormente, sua controladora, AES Corp, avalia alternativas para financiar o crescimento da Companhia e melhorar sua estrutura de capital".

Resultados da AES Brasil

No terceiro trimestre do ano passado, a AES Brasil registrou um lucro líquido de R$ 124,4 milhões. O valor corresponde a um crescimento de 21,3% em comparação aos R$ 102,6 milhões apurados no mesmo período do ano imediatamente anterior.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da companhia foi de R$ 429,7 milhões no 3T23. Essa cifra veio 51,4% acima do visto na comparação anual.

O resultado da AES Brasil relativo ao quarto trimestre de 2023 está previsto para ser divulgado no dia 26 de fevereiro.

Continua após a publicidade

Cotação da AESB3

Nos últimos 12 meses, a empresa acumula uma valorização de 14,08% na bolsa de valores brasileira. Apesar disso, a companhia registra uma queda de 7,95% nos últimos 30 dias. Atualmente, as ações estão cotadas a R$ 11,34.

Em relatório mais recente, a XP citou que possui uma recomendação neutra para AES Brasil, com preço-alvo para o ano de 2024 de R$ 14,00 por ação. Segundo a corretora, o atual cenário de preços de energia é o grande desafio para o desenvolvimento de novos projetos.

Ainda segundo a XP, após a conclusão dos Projetos Cajuína e Tucano, a empresa concentrará esforços na diminuição de alavancagem. Segundo a corretora, outra possibilidade para acelerar esse caminho de redução de alavancagem é a venda de ativos não essenciais por parte da AES Brasil, como o Parque Eólico Cassino.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora