PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Mesmo com os juros mais altos desde 2017, é possível ter ganhos com a Bolsa

Analistas apontam ações da Bolsa que podem se beneficiar com os juros elevados - Amanda Perobelli/Reuters
Analistas apontam ações da Bolsa que podem se beneficiar com os juros elevados Imagem: Amanda Perobelli/Reuters
só para assinantes

João José Oliveira

10/03/2022 11h00

Esta é a versão online para a edição desta quinta-feira da newsletter UOL Investimentos. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

O Brasil tem hoje a taxa básica de juros (Selic) mais elevada desde 2017. E juros altos atrapalham o crescimento econômico, afetam o desempenho das empresas e prejudicam os investimentos em ações na Bolsa. Essa é a regra geral que funciona para a ampla maioria das companhias. Mas alguns setores conseguem sofrer menos nesse ambiente —e até tiram proveito da situação.

Veja quais setores da economia podem se aproveitar dos juros elevados para faturar mais e, assim, entregar maiores ganhos aos investidores na Bolsa de Valores brasileira, segundo especialistas ouvidos pelo UOL.

Por que juros atrapalham a Bolsa?

O Banco Central está aumentando a Selic na tentativa der retomar o controle da inflação, que atingiu o maior patamar desde 2016.

Juros elevados funcionam como remédio contra a inflação, dizem economistas, porque encarecem o crédito, desestimulando o consumo. Com menos gente consumindo, as empresas têm maior dificuldade para repassar aumentos de preços.

Juros em alta atrapalham a Bolsa, porque elevam os custos de endividamento das empresas e porque os lucros futuros das ações passam a ser avaliados de forma mais rigorosa.
Phil Soares, chefe de análise de ações da Órama

Também com juros mais elevados, as famílias e as companhias recebem um incentivo maior para poupar e investir do que para gastar. Afinal, as aplicações de renda fixa passam a entregar rendimentos maiores aos investidores exatamente por causa da Selic mais alta.

Segundo Felipe Izac, sócio da Nexgen Capital, "é natural que quando ocorre alta de juros as pessoas tendam a buscar a renda fixa, porque o retorno aumenta".

Mostramos aqui como os principais investimentos rendem toda vez que os juros sobem.

Setores que se beneficiam dos juros

Algumas ações da Bolsa podem escapar desse ambiente negativo, porque são de empresas que atuam em setores da economia que, de alguma forma, têm vantagens com os juros mais elevados, afirmam os profissionais de mercado. Veja alguns desses setores.

Bancos

Os bancos podem se beneficiar dos juros elevados de duas formas. Primeiramente, aplicações que o banco faz com recursos da própria tesouraria recebem mais, porque os títulos do governo passam a oferecer taxas maiores. Além disso, nos empréstimos vendidos aos clientes, os bancos acabam recebendo taxas também maiores.

No setor de bancos com ações em Bolsa, alguns exemplos são Banco do Brasil (BBAS3), Itaú Unibanco (ITUB3 e ITUB4), Santander (SANB11), Bradesco (BBDC3 e BBDC4), entre outros.

Seguradoras

As seguradoras recebem pagamentos dos clientes que compram apólice de forma adiantada —à vista ou em parcelas. Essas companhias apenas têm despesas quando ocorrem sinistros (evento em que o bem segurado sofre um acidente ou prejuízo material).

Portanto, as empresas de seguro têm um período em que ficam com o dinheiro dos clientes. Assim, a maior parte desse dinheiro que as seguradoras têm em caixa vai para renda fixa, em aplicações com liquidez e baixíssimo risco para caso precisem sacar o dinheiro para cobrir sinistros.

Dessa forma, quando os juros sobem, as seguradoras recebem mais rendimento desse dinheiro que aplicam. No setor, algumas seguradoras com ações em Bolsa são BB Seguridade (BBSE3), Caixa Seguridade (CXSE3), Porto Seguro (PSSA3), e SulAmerica (SULA11).

Exportadoras

Empresas ligadas ao setor exportador tendem a se mostrar mais resistentes do que companhias mais dependentes do mercado doméstico durante períodos de juros locais mais altos.

São companhias com esse perfil, por exemplo, empresas de proteína animal, papel e celulose, além de commodities, como o petróleo e o minério de ferro.
Paloma Brum, analista de investimentos na Toro Investimentos

A analista de investimentos na Toro, Paloma Brum, cita como recomendações para investimentos a produtora de carnes JBS (JBSS3); a Suzano (SUZB3), de papel e celulose; além da siderúrgica Usiminas (USIM5), e da mineradora Vale (VALE3).

Muito caixa e pouca dívida

Os entrevistados afirmam que o investidor também pode procurar ações de empresas com baixo endividamento e bastante caixa como forma de proteção contra os impactos dos juros elevados na Bolsa. Essas companhias gastam menos com o pagamento de dívidas e, por isso, vão sofrer menos com a alta de juros.

As empresas com bastante dinheiro em caixa, mesmo que sejam de outros setores que não o de bancos ou de seguros, também podem aumentar as receitas da tesouraria geradas pelas aplicações em renda fixa.

Empresas que estão em fase de crescimento e que usam dívidas para isso sofrem mais com os juros altos que as companhias mais maduras, que dependem menos de empréstimos para o modelo de negócio delas.
Felipe Izac, Nexgen Capital

Ainda dá para pegar o bonde?

Para os especialistas ouvidos pelo UOL, a janela de oportunidades para ações que podem se aproveitar dos juros elevados vai continuar aberta por algum tempo.

É que as projeções de mercado reunidas no Boletim Focus, uma pesquisa semanal feita pelo Banco Central com mais de cem instituições financeiras e consultorias, apontam que a taxa básica de juros vai subir mais, até 12,25%, e só começará a cair em 2023.

Tudo depende de análise e preços, mas entendo que os juros seguem elevados todo este ano, caindo apenas em 2023, podendo demorar até mais que isso.
Marco Ribeiro Noernberg, líder de renda variável da Manchester Investimentos

3 dicas antes de mexer na carteira de ações

Profissionais de mercado alertam que o investidor interessado em aumentar as aplicações nas empresas beneficiadas pelos juros elevados precisa ser cauteloso antes de fazer mudanças na carteira.

Veja então três orientações dadas por eles:

1. Fazer as contas primeiro: antes de qualquer movimentação, o investidor deve fazer cálculos para ver se não vai ter prejuízo na movimentação —vendendo, por exemplo, um papel justo no momento em que ele está em sua maior baixa.

2. Analisar empresa por empresa: o fato de uma ação ser de um banco ou seguradora não quer dizer, necessariamente, que aquela companhia vai se beneficiar dos juros elevados. Analistas dizem que o investidor precisa buscar informações sobre o desempenho recente e a atuação da empresa para ver se, de fato, ela vai ter ganhos com o cenário de juros elevados.

É essencial realizar uma avaliação de cada ativo que venha a compor a carteira de investimentos, tanto do ponto de vista macro como microeconômico.
Paloma Brum, Toro Investimentos

Diversificar: por mais tentadora que seja a possibilidade de ganhar mais na Bolsa mesmo com juros elevados, o investidor tem de evitar concentrar os recursos em somente um grupo de empresas. A diversificação é uma forma de reduzir perdas no caso de um fator negativo pegar todo o setor no contrapé.

É interessante ter uma carteira que tenha alguns desses setores, mas o aplicador não pode ignorar o macro, porque é importante considerar outras variáveis.
Marco Robeiro Noernberg, Manchester Investimentos

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.