IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

'Suco, água?' Ações da Gol sobem 4,23% com a retomada do serviço de bordo

Gol vai retomar serviço de bordo, e ações têm alta acima de 4% - Divulgação
Gol vai retomar serviço de bordo, e ações têm alta acima de 4% Imagem: Divulgação

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, de São Paulo

20/05/2022 12h21Atualizada em 20/05/2022 12h24

Com a pandemia, desde dezembro de 2020, a alimentação nas viagens nacionais estava suspensa por determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Mas a agência liberou o serviço de bordo, que volta a partir de domingo (22). Com isso, as ações da Gol (GOLL4) estão entre as maiores altas do pregão de hoje (20), com valorização de 4,23% ao meio-dia de Brasília, chegando a R$ 15,53.

A retomada vale para os voos da Gol que partirem dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos. Em 1º de junho, será a vez dos clientes que embarcarem em voos de Brasília e Rio de Janeiro. E, a partir de 16 de junho, 100% dos voos da companhia terão alimentação a bordo.

A Azul (AZUL4), que sobe 1,51% para R$ 21,56 (no mesmo horário), começa a servir alimentação em todos os voos a partir do próximo domingo.

A volta do serviço de bordo é um marco da normalização do serviço aéreo, retomando a demanda. Os voos domésticos no Brasil, por exemplo, já chegaram a 90% do nível pré-pandemia, segundo a Iata (Associação Internacional de Transportes Aéreos, na sigla em inglês).

O uso de máscaras e o desembarque por fileiras continuam valendo.

Mas vale comprar ação?

Confira abaixo a análise dos especialistas em espaço destinado aos assinantes.

Para o BTG, vale a compra.

A Gol anunciou no dia 11 a criação de uma empresa junto com a colombiana Avianca. A nova companhia controlará as duas áreas e se chamará Abra.

"O negócio corrobora nossa recomendação de compra, já que a Gol deve se beneficiar do melhor momento da indústria no curto prazo, com base na retomada constante do tráfego corporativo", publicou o banco, em relatório.

Para a XP, a recomendação é neutra, pois a ação já está cara e não há muito como sustentar maior valorização.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.