Bolsas

Câmbio

Ex-diretor do FMI Rodrigo Rato será julgado por fraude na Espanha

Madri, 17 Nov 2017 (AFP) - O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) Rodrigo Rato será julgado na Espanha por fraude em investimentos e falsificação de contas pelo caso da abertura de capital do Bankia, em 2011, anunciou nesta sexta-feira (17) a Justiça espanhola.

Rato, que dirigia o banco então, será julgado com outros 31 ex-dirigentes da entidade, que faliu após entrar na bolsa, obrigando o Estado a nacionalizá-lo para ser salvo.

Ao todo, foram acusadas 32 pessoas físicas - além dos ex-diretores, um funcionário da consultoria Deloitte, responsável pelos relatórios do banco - e três jurídicas - o Bankia, sua empresa matriz, o Banco Financeiro e de Poupanças, e a Deloitte.

A Procuradoria anticorrupção da Espanha pediu, em junho, cinco anos de prisão para Rato, considerando que o ex-presidente e outros três ex-dirigentes do banco "tiveram responsabilidade especial para que a oferta do Bankia na bolsa acontecesse escondendo dos investidores a informação essencial acerca da verdadeira situação patrimonial" da instituição.

Como "principal executivo" do banco, Rato era "plenamente consciente da inconsistência do projeto do Bankia e de sua debilidade financeira" e, mesmo assim, deu luz verde à operação, explicou a Procuradoria.

O Bankia, criado em 2011 a partir da fusão de sete caixas de investimento, foi lançado na bolsa com alarde por Rato, que dirigiu o FMI entre 2004 e 2007 e foi ministro da Economia espanhola entre 1996 e 2004.

No ano seguinte, as contas do Bankia se provaram catastróficas, e sua cotação na bolsa caiu mais de 80%, arruinando milhares de pequenos acionistas.

Essa situação, junto com as consequências da crise econômica, levaram a um resgate do setor bancário espanhol, por meio de um empréstimo europeu de mais de 41 bilhões de euros, dos quais 22 bilhões eram destinados exclusivamente ao Bankia.

No ano passado, o banco disse ter pagado 1,2 bilhão de euros em compensações a 190 mil pequenos investidores, mas reconheceu que ainda tinha 30 mil reclamações pendentes.

Rodrigo Rato já foi condenado a quatro anos e meio de prisão por seu papel à frente do Bankia em fevereiro, por causa da emissão de cartões de crédito cujos titulares - especialmente dirigentes do banco - podiam usar com discrição e sem declarar as rendas extras.

Atualmente, ele está em liberdade, à espera de seu julgamento na apelação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos