IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Cotações


Uber tem lançamento decepcionante na Bolsa de Nova York

10/05/2019 17h27

Nova York, 10 Mai 2019 (AFP) - A plataforma de mobilidade urbana Uber tropeçou, nesta sexta-feira (10), em seu lançamento na Bolsa de Nova York, com ação fechando a US$ 41,57, menos do que o preço que a empresa tinha estabelecido na véspera.

Em um dos lançamentos (IPOs) mais esperados do ano em Wall Street, a companhia passou a ser cotada no New York Stock Exchange (NYSE) às 15h50 (12h50 de Brasília).

Após a oferta inicial de US$ 45 a ação, os papéis caíram 7,6%, a US$ 41,57, em um mercado em baixa, especialmente volátil devido às dúvidas sobre as negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos.

A empresa, que esperava levantar US$ 8,1 bilhão, foi avaliada em US$ 81 bilhões, bem longe dos US$ 100 bilhões que eram esperados até poucos meses atrás.

O CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, e vários de seus funcionários tocaram a campainha na abertura da Bolsa de Valores.

"Estou muito empolgado", disse Khosrowshahi à AFP, vestindo um terno escuro e camisa branca, em sua chegada a Wall Street.

Em entrevista ao canal financeiro CNBC, ele explicou que o preço de US$ 45 por ação refletia "um ambiente incerto" e previu uma possível queda do valor dos papéis.

"Nós consideramos que este preço reflete o ambiente econômico e que o ambiente econômico é atualmente incerto", afirmou. "Queremos investidores que apostem no longo prazo".

"O preço baixo escolhido pela Uber é inteligente e prudente" e mostra "claramente que ele aprendeu com seu 'irmão mais novo' Lyft", opinou Daniel Yves, analista da Wedbush Securities.

Dúvidas sobre rentabilidade

A cautela da Uber se deve aos problemas de seu principal concorrente nos Estados Unidos, o Lyft. Na quinta-feira, suas ações em Wall Street fecharam a US$ 55,18 --bem abaixo de seu preço de US$ 72 em seu IPO no fim de março.

Os círculos financeiros duvidam da rentabilidade dessas plataformas, que registram grandes prejuízos e multiplicam as promoções para atrair e reter clientes.

Após anos de rápido crescimento, marcado por escândalos que ofuscaram sua imagem, a chegada da Uber a Wall Street desperta muito interesse entre os círculos financeiros.

Esta operação será um momento crucial para a Uber e Khosrowshahi, nomeado para melhorar a reputação do grupo e permitir que passe a lucrar, em um setor cada vez mais competitivo e com margens incertas.

Em documentos publicados recentemente, a Uber antecipou receita de cerca de US$ 3 bilhões e prejuízo de US$ 1 bilhão no primeiro trimestre de 2019.

Para ser rentável, a empresa tenta se diversificar lançando serviços como entrega a domicílio, skates, bicicletas. Seu objetivo atual é se tornar a Amazon dos transportes.

Mas sua atividade enfrenta vários elementos de incerteza: concorrência, ameaças legais e regulatórias e os motoristas, que entraram em greve e protestaram em várias cidades dos EUA e em Londres na quarta-feira.

Os condutores criticam que o lançamento da Uber na bolsa enriqueceria os acionistas, sem eles receberem um único centavo.

"Queremos melhorar a situação de nossos pilotos", disse Khosrowshahi à AFP nesta sexta-feira, sem anunciar nenhuma medida específica.

Uber apresenta modelo de táxi aéreo

olhardigital

Mais Cotações