PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Fernández começa difícil governo na Argentina

11/12/2019 09h16

Buenos Aires, 11 dez 2019 (AFP) - Com o desejo de renegociar a dívida e impulsionar o crescimento econômico, Alberto Fernández inicia um período difícil de governo, no qual prometeu servir os mais vulneráveis e reduzir a pobreza neste país em meio a uma crise econômica.

Após ser recebido por uma multidão em sua posse na terça-feira, juntamente com a ex-presidente Cristina Kirchner como vice-presidente, Fernández terminará de definir nesta quarta-feira a equipe econômica chefiada por Martín Guzmán, um acadêmico de 37 anos colaborador do prêmio Nobel Joseph Stitglitz, conhecido por sua posição antiglobalização.

Desde 2018, a Argentina mantém um acordo de ajuste fiscal com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que concedeu um empréstimo de US$ 57 bilhões, dos quais já desembolsou US$ 44 bilhões.

Fernández afirmou que não deseja receber a última parcela do empréstimo e, embora tenha dito que está comprometido com o pagamento da dívida, alertou que "o país precisa crescer primeiro".

Imediatamente, Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, saudou a suposição de Fernández e disse que "compartilha plenamente os objetivos de buscar políticas para reduzir a pobreza e acompanhar o crescimento sustentável".

"O FMI continua comprometido em ajudar seu governo nessa tarefa", escreveu ele no Twitter.

- "Anos de frustração" -A economia argentina fechará este ano com uma queda de 3,1%, uma inflação superior a 50% e um índice de pobreza próxima de 40%.

"Temos que dizer isso com todas as letras: a economia e o tecido social estão em um estado de extrema fragilidade, como produto dessa aventura que levou à fuga de capitais, destruiu a indústria e sobrecarregou as famílias. Em vez de gerar dinamismo, passamos da estagnação à queda livre", criticou Fernandez em seu discurso de posse.

Para o analista político Rosendo Fraga, "o primeiro problema enfrentado por Alberto Fernández é que a sociedade acumula oito anos de frustração".

"No segundo mandato de Cristina Kirchner (2011-2015), em média, o Produto Interno Bruto cresceu 0% e nos quatro anos de Macri foi de -2%. São oito anos consecutivos de queda do PIB per capita ", afirmou Fraga, alertando que o presidente deve lidar com cautela com o expectativas da população.

Fernández, que foi chefe de gabinete de Néstor Kirchner (2003-2007) e de Cristina Kirchner (2008), refere-se frequentemente à renegociação da dívida obtida na época, depois que a Argentina declarou em 2001 a suspensão de pagamentos por 100 bilhões de dólares.

No entanto, o contexto global mudou e está longe do boom de matérias-primas da época, concordam os analistas.

Para a empresa Capital Economics, "o plano de Alberto Fernández de resolver a crise da dívida argentina aumentando a economia não é uma opção realista. Acreditamos que a redução da dívida nos próximos anos é inevitável".

Como uma das primeiras medidas, Fernández anunciou que nenhum tratamento parlamentar será dado ao orçamento de 2020 apresentado pelo governo Macri.

"Um orçamento adequado só pode ser projetado depois que a negociação de nossas dívidas estiver concluída e, ao mesmo tempo, pudermos implementar um conjunto de medidas econômicas, produtivas e sociais para compensar o efeito da crise no economia real", disse.

"A Argentina que procuramos construir é uma Argentina que cresça e inclua, onde existem incentivos para produzir e não especular", acrescentou.

nn/rsr/cc