PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Coronavírus: Trump promulga megaplano econômico de US$ 2 trilhões

Presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca - POOL New
Presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca Imagem: POOL New

Washington (EUA)

27/03/2020 18h56

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou hoje o plano de resgate de US$ 2 trilhões aprovados pelo Congresso, que busca evitar que a maior economia mundial caia em uma recessão duradoura pelo impacto da pandemia do coronavírus.

"Quero agradecer aos democratas e republicanos por se unirem e colocarem os EUA em primeiro lugar", disse o presidente no Salão Oval, pouco antes de assinar a maior iniciativa federal de intervenção econômica da história do país, em um dia em que o nação ultrapassou a marca de 100.000 casos registrados.

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou hoje o pacote histórico de US$ 2 trilhões, cujo objetivo é impedir que a maior economia do mundo caia em uma recessão duradoura devido ao impacto da pandemia de coronavírus.

Em um momento em que os EUA se tornaram o epicentro global da pandemia, republicanos e democratas aprovaram o maior plano de ajuda econômica da história do país, já aprovado pelo Senado nesta semana. Para entrar em vigor, a iniciativa agora exige a assinatura do presidente Donald Trump, que prometeu promulgá-la rapidamente.

"Nossa nação está enfrentando uma emergência econômica e de saúde de proporções históricas devido à pandemia de coronavírus, a pior em mais de 100 anos", disse a presidente da Câmara dos Representantes e líder da maioria democrática Nancy Pelosi pouco antes. o corpo passou a medida por aclamação.

O texto, adotado pelo voto unânime de todos os senadores (96-0) na noite de quarta-feira, inclui disposições para atender os setores mais afetados pela crise da saúde.

Por ele, planejam-se o envio de um cheque de US$ 1.200 a americanos de baixa renda, quase US$ 400 bilhões em assistência a pequenas empresas e US$ 500 bilhões em assistência a grandes empresas.

Além disso, US$ 100 bilhões serão enviados a hospitais e US$ 30 bilhões para o financiamento pesquisas sobre vacinas e tratamentos para o Covid-19.

Também amplia dramaticamente o seguro-desemprego, uma ajuda que amortecerá o golpe para os impressionantes 3,3 milhões de pessoas que entraram com pedidos de seguro-desemprego na semana encerrada em 21 de março.

"Estamos lançando as bases para uma rápida recuperação econômica", disse o deputado republicano da Câmara, Kevin McCarthy, depois de vários elogiarem a medida como um "salva-vidas crucial" para trabalhadores e pequenas empresas.

Votação para a história

A votação de sexta-feira na câmara baixa se destacou de várias maneiras.

Para evitar contágios, foram implementadas regras de distanciamento entre os legisladores, o que significava que muitos deveriam sentar-se nas galerias para o público devido à falta de espaço na sala.

Com o Congresso em recesso nesta semana, Pelosi estava defendendo uma votação rápida que exigiria apenas alguns membros presentes. Mas o republicano Thomas Massie, que se opôs à dispendiosa lei, ameaçou adiar a adoção da medida, levando centenas de parlamentares a voltarem a Washington para o caso de uma votação nominal.

Finalmente, a Câmara escapou da decisão de Massie e aprovou a lei por aclamação, atraindo aplausos generalizados. Trump atacou Massie no Twitter, classificando o político como "de terceira categoria".

"Chutem Massie para fora do Partido Republicano!", esbravejou o presidente.

Pelosi disse que o gigantesco plano de ajuda, a terceira iniciativa do Congresso para ajudar o país a lidar com a pandemia, não será o último passo para ajudar comunidades devastadas.

"Precisamos avançar no quarto projeto de lei para atender às necessidades contínuas", disse ele, observando que os governos estaduais e locais precisarão de "muito mais" financiamento para enfrentar a crise.

Economia