PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Morre bilionário Sheldon Adelson, apoiador de Donald Trump

O grupo do magnata possui dois luxuosos complexos hoteleiros em Las Vegas - The Venetian e The Palazzo - e cassinos em Macau e Singapura - Yuya Shino/Reuters
O grupo do magnata possui dois luxuosos complexos hoteleiros em Las Vegas - The Venetian e The Palazzo - e cassinos em Macau e Singapura Imagem: Yuya Shino/Reuters

Em Washington

12/01/2021 13h06

O bilionário dos cassinos Sheldon Adelson faleceu, aos 87 anos — informou a empresa Las Vegas Sands em nota divulgada hoje.

Adelson era um grande doador do Partido Republicano e apoiador do presidente Donald Trump.

"Nosso fundador e líder visionário, Sheldon G. Adelson, faleceu na última noite, aos 87 anos, de complicações relacionadas ao tratamento para linfoma não-Hodgkin", diz a nota.

Nascido em 1933, em Boston (Massachusetts), Adelson era um conhecido apoiador do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

"Em Las Vegas, Macau e Singapura, a visão de Adelson pelos complexos (hoteleiros e cassinos) integrados transformou o setor, mudou a trajetória da empresa que fundou e repensou o turismo em cada um desses mercados", disse a empresa.

O grupo do magnata possui dois luxuosos complexos hoteleiros em Las Vegas - The Venetian e The Palazzo - e cassinos em Macau e Singapura.

Adelson se tornou um forte opositor ao ex-presidente democrata Barack Obama (2009-2017), para depois agir como importante doador de Trump quando este chegou à Casa Branca.

Contribuiu com quase 220 milhões de dólares para a fracassada campanha de reeleição de Trump em 2020, assim como para outros candidatos republicanos, informou o jornal The New York Times.

Adelson, cujo pai era judeu com origens ucranianas e lituanas e a mãe uma imigrante inglesa, também apoiou financeiramente a comunidade judaica, tanto nos EUA quanto no exterior.

Em Israel, Adelson apoiou amplamente Benjamin Netanyahu mediante o jornal gratuito Israel Hayom, que fundou em 2007 e atualmente é um dos jornais de maior difusão em Israel.

Depois da polêmica decisão de Trump de transferir a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém em 2018, Adelson comprou em setembro de 2020 a residência do embaixador americano em um subúrbio exclusivo de Tel Aviv por 67 milhões de dólares, o que alguns observadores viram como uma forma de garantir que a transferência para Jerusalém fosse permanente.

Adelson será enterrado em Israel, segundo o comunicado.

Uma cerimônia de homenagens acontecerá em Las Vegas "em uma data posterior", disse o grupo Sands.

Hoje, Netanyahu expressou que tem seu "coração destruído pelo falecimento de Sheldon Adelson", e descreveu o magnata como um "grande patriota judeu".

"Ele foi (...) um campeão incrível do povo judeu, do Estado hebreu e da aliança entre Israel e Estados Unidos", destacou em nota.