PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

EUA: problemas de abastecimento continuarão até o ano que vem

O secretário de Transporte dos Estados Unidos, Pete Buttigieg - Brendan Smialowski/AFP
O secretário de Transporte dos Estados Unidos, Pete Buttigieg Imagem: Brendan Smialowski/AFP

17/10/2021 13h27

Washington (AFP) - O secretário de Transporte dos Estados Unidos, Pete Buttigieg, alertou neste domingo (17) que os problemas de abastecimento continuarão "até o ano que vem" e pediu uma solução a longo prazo.

A pandemia de covid-19 provocou interrupções nas cadeias de abastecimento em todo o mundo, provocando atrasos que aumentaram os preços nos Estados Unidos.

O problema é preocupante quando faltam poucas semanas para o Natal, já que alguns especialistas estimam uma escassez de produtos nas festas.

"Muitos dos problemas que enfrentamos este ano continuarão no ano que vem", disse Buttigieg à CNN.

Ele explicou que a situação se deve, parcialmente, ao aumento da demanda à medida que a economia se recupera do golpe causado pela pandemia.

"O problema é que (...) estão entrando quantidades recordes de mercadorias e nossa cadeia de abastecimento não consegue acompanhar o ritmo", disse.

Dezenas de navios estão atracados nos principais portos da costa oeste - Long Beach e Los Angeles - à espera de descarregarem.

"Esses dois portos representam 40% do nosso tráfego de contêineres", disse, acrescentando que foram tomadas medidas para descongestionar os portos.

"Agora estão funcionando 24 horas por dia. Não é algo fácil de fazer da noite para o dia, mas foi um compromisso forte".

"Temos que abordar os problemas a longo prazo que nos tornaram vulneráveis a este tipo de problema", pediu.

"Por isso temos que aprovar o plano de infraestruturas do presidente Joe Biden".

Este projeto de lei possui um consenso relativo no Congresso, mas a ala esquerda do Partido Democrata se recusa a aprová-lo até que um colossal plano de gastos sociais seja garantido.

Os problemas de abastecimento foram tema central da reunião de ministros das Finanças dos países industrializados que aconteceu esta semana em Washington.

PUBLICIDADE