PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Desvalorização do rublo torna preços do iPhone atraentes para turistas na Rússia

Ilya Khrennikov e Jake Rudnitsky

11/11/2014 17h54

11 de novembro (Bloomberg) ? Os russos, que durante anos suportaram alguns dos preços mais altos para o iPhone da Apple Inc., agora podem comprar o mais novo modelo por um valor menor ao desembolsado pelos consumidores em qualquer outro lugar da Europa.

Com frequência os russos eram vistos em filas na porta das lojas da Apple em Londres e Frankfurt durante os lançamentos de novos produtos. Agora, graças à desvalorização do rublo ocorrida nos últimos meses, os preços do iPhone na Rússia são os mais baixos da Europa se medidos em dólares ou euros, de acordo com a varejista russa de dispositivos Svyaznoy.

Em rublos, o preço da etiqueta não mudou. Um iPhone 6 sem contrato com operadora custa a partir de 31.990 rublos (US$ 700) e continua sendo relativamente caro para muitos russos. No entanto, depois da desvalorização do rublo, de 25 por cento em relação ao dólar e de 18 por cento em relação ao euro, nos últimos quatro meses, o preço russo ficou inferior aos preços de outros países. Na Finlândia, país vizinho que por muito tempo foi um destino popular para os compradores russos de iPhone, o iPhone 6 custa cerca de 700 euros (US$ 870) para os consumidores locais.

Segundo Re:Store, revendedora oficial da Apple na Rússia, as importações do mercado paralelo têm sido uma séria concorrência para suas lojas em São Petersburgo, onde as pessoas podiam viajar apenas 100 quilômetros atravessando a fronteira finlandesa e comprar qualquer coisa, de roupas a aparelhos eletrônicos. "Agora, provavelmente faça sentido contrabandear malas cheias de iPhone na direção contrária", disse Lyudmila Semushina, porta-voz da rede re:Store.

Os preços da Rússia ainda não superam os dos EUA, onde um iPhone 6 sem contrato com uma operadora custa a partir de US$ 650, sem incluir os impostos.

Compradores estrangeiros

O rublo está caindo em meio às sanções impostas pelos EUA e pela Europa à Rússia devido ao suposto papel do presidente Vladimir Putin no conflito da Ucrânia e a uma queda do preço do petróleo.

Entre os que vão à Rússia para fazer compras estão empresários das ex-repúblicas soviéticas, que costumavam viajar a outros países europeus ou a Hong Kong para comprar dispositivos iPhone e revendê-los em seus países, de acordo com Eldar Murtazin, analista da Mobile Research Group em Moscou.

Estrangeiros que trabalham na Rússia também estão preferindo comprar os aparelhos no país, quando antes os compravam quando visitavam seus países de origem, disse Alexander Malis, CEO da Euroset, varejista de celulares que pertence às operadoras OAO MegaFon e VimpelCom Ltd. As vendas de iPhone estão no mesmo nível do ano anterior, apesar do esfriamento da economia, disse Malis, da Euroset.

Cerca de 1,93 milhão de aparelhos iPhone, no valor de US$ 1,3 bilhão, foram vendidos na Rússia neste ano até setembro, de acordo com a empresa de pesquisa IDC. Eles foram responsáveis por 10 por cento do mercado russo de smartphones por unidades, frente a 8,9 por cento em 2013, de acordo com a IDC.

Demanda local

As compras de iPhone feitas por russos também aumentaram nas últimas semanas, disse Maria Zaikina, porta-voz da Svyaznoy, com sede em Moscou, que foi responsável por dois quintos das vendas de iPhone na Rússia no ano passado. Os consumidores temem que a desvalorização do rublo provoque um aumento dos preços, disse ela. Os preços de alguns produtos ocidentais já aumentaram na Rússia, pois eles ficaram mais caros para atacadistas e varejistas.

Luca Maestri, diretor financeiro da Apple, disse aos analistas no dia 20 de outubro que, embora o fortalecimento do dólar tenha tido pouco impacto nos resultados da companhia durante o trimestre fiscal que terminou no dia 27 de setembro, ele "está se tornando um obstáculo relevante" no período atual.

As vendas de iPhone 6, que começaram na Rússia no dia 26 de setembro, podem ultrapassar 200.000 unidades até o fim do ano, conforme estimativas de Murtazin. Representantes das operadoras de serviços wireless OAO Mobile TeleSystems, MegaFon e VimpelCom não quiseram dar previsões de vendas.

"Neste ano, as vendas na Rússia começaram apenas uma semana depois que nos EUA e na Europa, o que gerou um grande influxo de consumidores que preferiram as varejistas oficiais em detrimento do mercado paralelo", disse a MegaFon por e-mail. "A demanda pelo iPhone 6 ainda continua alta".

Título em inglês: IPhone Prices in Russia Tempting Tourists With Ruble's Decline

Para entrar em contato com os repórteres: Ilya Khrennikov, em Moscou, ikhrennikov@bloomberg.net; Jake Rudnitsky, em Moscou, jrudnitsky@bloomberg.net

PUBLICIDADE