PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Franco prejudica cidade da fronteira suíça pois compradores desertam para a Alemanha

Catherine Bosley

03/08/2015 13h52

(Bloomberg) - Na cidade suíça de Kreuzlingen, localizada à beira de um lago, a valorização do franco está deixando sua marca.

O avanço da moeda neste ano implicou que mais moradores da cidade estejam cruzando a fronteira para fazer compras na Alemanha, o que prejudica os lojistas domésticos. Isso está agravando o impacto da taxa de câmbio na economia, que provavelmente sofreu uma recessão no primeiro semestre.

"É um problema - hotéis, restaurantes e lojas estão passando por um momento difícil", disse Nicole Esslinger, diretora do conselho de turismo da cidade à beira do Lago de Constança. "As pessoas em Kreuzlingen sempre foram à loja mais próxima, mesmo que estivesse do outro lado da fronteira. Mas agora é em outra proporção".

As cidades que pontilham o extremo norte do país estão pagando o preço da decisão tomada pelo Banco Nacional Suíço (SNB, na sigla em inglês) em janeiro de permitir a flutuação livre do franco frente ao euro. Como as exportações estão sendo prejudicadas pelo câmbio, a economia da Suíça está a prestes a ter seu pior rendimento em seis anos, e prevê-se que o crescimento seja inferior até mesmo ao da zona do euro.

Projeta-se que os preços ao consumidor sofram neste ano a maior queda em seis décadas, e dados que serão publicados na quarta-feira provavelmente vão mostrar que a taxa de inflação se manteve em -1 por cento em julho. A atividade de fabricação industrial declinou inesperadamente no mês passado, mostraram dados publicados nesta segunda-feira. Os economistas antecipam que a taxa de desemprego, que será publicada na sexta-feira, tenha se mantido em 3,3 por cento em julho.

Temporada de compras

Os consumidores suíços têm a tradição de comprar bens de uso cotidiano no exterior. Segundo um estudo feito pela empresa de pesquisa de mercado GfK, eles gastaram cerca de 10 bilhões de francos (US$ 10,3 bilhões) fora da Suíça em 2013 em produtos diversos, de detergente a óculos de sol.

Os moradores da Suíça podem importar 300 francos em bens por pessoa por dia e também têm direito a um reembolso do imposto sobre o valor agregado da Alemanha.

Com base no site de comparação de preços uma cesta de 54 produtos típicos de higiene e cuidado pessoal, como o gel para cabelo L'Oréal e o filtro solar Nivea da Beiersdorf AG, custam 70 por cento a mais na Suíça do que na Alemanha. As roupas estão 43 por cento mais caras na Suíça, mostrou o site. www.preisbarometer.ch,

Em resposta ao chamado "turismo de compras", a rede de farmácias Müller diminuiu temporariamente os preços na filial de Kreuzlingen para torná-los mais baratos do que o das filiais na Alemanha. Mesmo assim, o reembolso do imposto sobre o valor agregado para os artigos adquiridos nas lojas da Müller na vizinha cidade alemã de Constança torna mais conveniente comprar na Alemanha, segundo a porta-voz da companhia Tatjana Meier.

Na Modehaus Rudolf, uma loja de roupas fundada em Kreuzlingen em 1873, a situação é similar: a receita caiu 40 por cento desde que o SNB abandonou o limite máximo de 1,20 franco por euro, segundo a proprietária, Maria Jonasch.

Recessão efêmera

Contudo, os economistas estimam que a recessão na Suíça - a primeira no país em seis anos - seja breve. Os analistas consultados pela Bloomberg estimam que a produção vai se expandir no terceiro trimestre - ainda que por um mísero 0,1 por cento.

A projeção conta com o apoio do indicador de consumo do UBS AG, que subiu pelo terceiro mês consecutivo em junho e voltou ao patamar registrado em dezembro. Um acréscimo no cadastramento de carros novos compensou o "ânimo levemente mais pessimista" do setor varejista, disseram seus autores.

E, em Kreuzlingen, nem todas as empresas estão sofrendo.

"Para nós, a situação não é tão ruim assim", disse Markus Stolz, proprietário de uma loja que vende colchões e camas em Kreuzlingen. "O franco forte implica que as pessoas vão à Alemanha de compras. Mas nós vendemos colchões de fabricação suíça em francos, portanto o euro desvalorizado não interfere".

Título em inglês: 'Swiss Border Town Hit by Franc as Shoppers Defect to Germany (3)'

Para entrar em contato com o repórter: Catherine Bosley, em Kreuzlingen, cbosley1@bloomberg.net