PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Autobahns sem manutenção causam engarrafamentos na Alemanha

Stefan Nicola

22/03/2016 16h29

(Bloomberg) -- Em um dia útil típico, centenas de caminhões pesados chegam ao Chempark Leverkusen, um imenso complexo de refinarias nas margens do rio Reno, no oeste da Alemanha. Nos últimos dois anos, os caminhões têm sido obrigados a fazer longos desvios para não cruzar uma ponte em mau estado na Autobahn que data de quando os Beatles estavam cantando Twist and Shout em Hamburgo.

Projetada no início da década de 1960 com capacidade para 40.000 carros por dia, a ponte sobre o Reno hoje recebe o triplo desse movimento – e mal está se aguentando. Depois que centenas de rachaduras foram descobertas, as autoridades fecharam a ponte para caminhões e reduziram o limite de velocidade para 60 quilÃ?metros por hora.

“É estressante para nossos trabalhadores e prejudicial para todas as empresas envolvidas”, disse Ernst Grigat, que supervisiona Chempark e dois locais semelhantes nas proximidades para uma empresa de gestão de propriedades chamada Currenta. “E é também uma barreira para o crescimento da nossa economia, que precisa de uma boa infraestrutura”.

A infraestrutura alemã ainda parece bastante sólida em comparação com a dos EUA e as estradas na parte oriental do país estão em condições relativamente boas desde que foram reformadas após a queda do Muro de Berlim, em 1989. Mas estradas e pontes na parte ocidental geralmente datam das décadas de 1960 e 1970, e seu mau estado está abalando o país que inventou a Autobahn, o sistema de autoestradas que em muitos lugares não tem limite de velocidade.

As preocupações com infraestrutura foram agravadas por projetos de alta visibilidade que sofreram atrasos e estouros de custos: a estação de metr� de Stuttgart está com pelo menos dois anos de atraso e um novo aeroporto em Berlim originalmente projetado para começar a receber passageiros em 2011 está a anos de ser concluído (alguns dizem que nunca será aberto).

Queda nos rankings

A Alemanha caiu de terceira, em 2013, para sétima no ranking de infraestrutura das 140 nações do Fórum EconÃ?mico Mundial. Cerca de 15 por cento de suas 70.000 pontes locais estão em estado “crítico” e metade em estado pior que o desejável, de acordo com o Instituto Alemão de Assuntos Urbanos, sediado em Berlim, que faz pesquisas com financiamento público. Com as estradas se deteriorando, o número de engarrafamentos aumentou 20 por cento no ano passado para 568.000, de acordo com o ADAC, o clube do automóvel da Alemanha. Faltam pelo menos 10 bilhões de euros (US$ 11,3 bilhões) por ano em recursos públicos para o sistema, disse Marcel Fratzscher, presidente do Instituto de Pesquisa EconÃ?mica DIW, em Berlim.

Planos de investimento

O ministro dos Transportes, Alexander Dobrindt, disse neste mês que pretende investir 264,5 bilhões de euros em estradas, ferrovias e hidrovias até 2030, com a maior parte do dinheiro usado apenas para manter a infraestrutura atual. “Sabemos que estamos muito atrás e precisamos agir seriamente”, disse Dobrindt em fevereiro em uma conferência de infraestrutura em Berlim.

Conseguir o dinheiro para pagar por essas melhorias não tem sido fácil. No esforço de equilibrar o orçamento, o governo da chanceler Angela Merkel tem limitado gastos com infraestrutura. Enquanto os caminhões devem pagar para utilizar as Autobahns, os carros viajam de graça. Pedágios para cobrir a manutenção – como na Áustria, França e Suíça – são tão impopulares que a ideia virou tabu na política alemã. E o país enfrenta gastos inesperados de bilhões de euros para lidar com os milhões de refugiados que chegaram no último ano. O ministro das Finanças, Wolfgang Schaeuble, vai anunciar na quarta-feira o esboço do orçamento do próximo ano.

Caminhões pesados

A Alemanha pode ter de repensar a forma como constrói suas rodovias, de acordo com Wulf-Holger Arndt, pesquisador do Instituto de Assuntos Urbanos. As estradas sofrem porque não foram concebidas para suportar o peso dos grandes veículos comerciais de hoje e o governo deveria criar políticas que incentivem as empresas a transportar mais cargas por trem, disse Arndt. “Um caminhão de 24 toneladas faz tanto estrago em uma estrada quanto 10.000 carros”, disse ele.

Título em inglês: Crumbling German Autobahns Leave Drivers Stuck in Traffic Jams

Para entrar em contato com o repórter: Stefan Nicola em Berlim, snicola2@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Telma Marotto tmarotto1@bloomberg.net, Taís Fuoco

©2016 Bloomberg L.P.