Bolsas

Câmbio

Mobius investe no Brasil porque impeachment não foi precificado

Manus Cranny e Matthew Martin

(Bloomberg) -- A Franklin Templeton está ampliando seus investimentos no Brasil apostando que o esperado impeachment da presidente Dilma Rousseff, neste mês, impulsionará os ativos do país.

O impacto da possível remoção de Dilma ainda não está totalmente precificado nas ações brasileiras, disse Mark Mobius, presidente-executivo do conselho do Emerging Markets Group da gestora de fundos, em entrevista televisiva à Bloomberg Markets Middle East.

O real, que teve uma valorização de 15% neste ano, é sua moeda favorita entre os mercados emergentes, disse ele.

Dilma pode ser forçada a sair temporariamente em meados de maio se uma maioria simples de senadores decidir em votação que ela deve ser julgada por supostamente ter maquiado as contas públicas para mascarar o tamanho do déficit orçamentário.

O vice-presidente Michel Temer, que seria seu sucessor, está montando uma equipe "market-friendly" que os investidores esperam que resolva rapidamente os problemas econômicos do Brasil. Essas apostas já começaram a impulsionar uma alta do real, embora membros do PT digam que Temer reduziria programas sociais para atender aos interesses do empresariado.

"Estamos adicionando dinheiro no Brasil", disse Mobius. "Se você olhar para onde caminhamos em comparação com as altas anteriores, notará que há um longo caminho a percorrer. Talvez mais 100% a 200%".

O Ibovespa subiu cerca de 25% neste ano com base na especulação dos investidores de que a saída de Dilma dará origem a um novo governo mais capaz de resolver os problemas econômicos e financeiros do país.

O Brasil registrou o maior déficit primário da história no primeiro trimestre, mostraram números oficiais no mês passado e a desaceleração das commodities prejudicou uma das maiores exportações do Brasil. As acusações de corrupção também assolaram a Petrobras.

As ações russas também poderão tirar proveito de grandes entradas de recursos se houver alguma decisão dos EUA ou da União Europeia de reduzir ou cancelar as sanções, disse Mobius.

O índice de referência russo, o Micex, subiu cerca de 11% neste ano e é negociado perto de uma alta recorde. Os analistas ampliaram suas projeções de lucros porque a recuperação do petróleo aumenta a probabilidade de o país emergir da recessão mais rapidamente.

"A outra grande oportunidade é a Rússia, porque está fechada para nós e para muitos outros investidores por causa das sanções", disse Mobius. "Se as sanções forem retiradas, poderemos ver um enorme aumento nas ações russas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos