Ciclo negativo atormenta fundos de pensão do Reino Unido

Sid Verma

(Bloomberg) -- Os títulos soberanos são uma armadilha maior do que se pensava para os investidores de longo prazo sedentos por yields.

Os fundos de pensão e as empresas de seguros de vida do Reino Unido podem ser atingidos por um golpe duplo em um momento em que os yields ultrabaixos dos títulos soberanos intensificam a escassez de crédito e estimulam os investidores a casarem seus passivos cada vez maiores com ativos de vencimento mais longo, criando uma demanda maior por dívidas soberanas e derrubando ainda mais os rendimentos.

Os fundos de pensão e as empresas de seguros de vida do Reino Unido estão sob cerco há anos porque os yields baixos dos títulos soberanos -- que normalmente são a fonte preferida de renda desses fundos -- geraram obstáculos significativos ao financiamento, enquanto os passivos das pensões têm subido.

Agora, o programa de flexibilização quantitativa do Banco da Inglaterra e a redução do conjunto de ativos de prazo mais longo estão elevando cada vez mais os preços dos títulos, desafiando a capacidade dos investidores de financiarem obrigações de longo prazo para os beneficiários.

O fracasso do leilão reverso do Banco da Inglaterra na semana passada, por exemplo, fez com que os títulos de longo prazo caíssem abruptamente e atingissem novas mínimas históricas. O yield sobre os gilts de 10 anos atualmente está em torno de 0,52 por cento.

Mas existe outra dinâmica do mercado que pode exercer mais pressão sobre as taxas de juros e dificultar ainda mais os retornos dos investidores de longo prazo: a correspondência entre ativos e passivos. Ou seja, os grandes fundos com passivos de renda fixa, como os fundos de pensão e de seguros, precisam abocanhar mais títulos soberanos britânicos de longo prazo para se cobrirem do aumento dos riscos dos passivos em meio à alta dos preços.

Isto porque enquanto os juros do Reino Unido caem sob as condições atuais do mercado, esses investidores -- que enfrentam a necessidade de fazer hedge de seus custos cada vez maiores com o passivo reequilibrando a duração de exposição de suas carteiras -- estão sendo forçados a agarrar ainda mais gilts com vencimentos mais longos, o que reduzirá os yields ainda mais, calcula Renuka Fernandez, analista sênior da TD Securities.

"Se os fundos de pensão e as seguradoras estão com diferenciais de duração entre ativos e passivos em seus balanços, uma queda dos juros fará com que o lado do passivo suba mais rapidamente do que o lado do ativo", diz ela.

Toby Nangle, chefe de alocação multiativos da Columbia Threadneedle em Londres, explica um pouco mais a dinâmica.

"O valor presente dos pagamentos estimados de pensões é descontado por contadores e atuários usando yields de longa data", diz ele. "E assim a divergência entre ativos e passivos que a maioria (mas não todos) os esquemas apresentam provavelmente terá levado a crescentes déficits nas pensões nas últimas semanas porque o valor presente estimado das obrigações futuras com pensões subiu mais rapidamente do que os valores dos ativos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos