Cathay Pacific é ação de aérea de menor preferência no mundo

Crystal Tse

(Bloomberg) -- A Cathay Pacific Airways conseguiu um título indesejável.

Estrategistas de ações têm menos entusiasmo pela empresa aérea do que por qualquer outro integrante do Bloomberg World Airlines Index, segundo um ranking de classificações dos analistas. As ações da Cathay caíram 11 por cento neste mês, atingindo uma mínima recorde em comparação com o Hang Seng Index, de Hong Kong, em 22 de agosto, e corretores como o Credit Suisse Group reduziram suas recomendações para a ação.

A maior empresa aérea internacional da Ásia registrou uma queda de 82 por cento no lucro líquido do primeiro semestre devido ao acúmulo de prejuízos pelo hedge de combustível e porque os rendimentos por passageiros -- o montante recebido por transportar uma pessoa por quilômetro, uma importante métrica de rentabilidade -- atingiram o menor patamar em sete anos. A concorrência crescente das empresas aéreas chinesas e as restrições de capacidade no aeroporto de Hong Kong estão minando a perspectiva para a Cathay Pacific, segundo o UBS, melhor analista da ação nos últimos 12 meses.

O rendimento por passageiro da Cathay Pacific enfrenta um declínio de "vários anos", disse Eric Lin, analista do UBS em Hong Kong, que prevê que as ações da empresa cairão mais 3 por cento nos próximos 12 meses. "Nós ficamos muito cautelosos em relação a Hong Kong como hub de trânsito desde o segundo semestre do ano passado".

Há nove classificações de venda para a Cathay Pacific, que tem sede em Hong Kong, oito recomendações neutras e duas de compra, segundo os analistas monitorados pela Bloomberg, o que rende à empresa uma pontuação de 2,26 em um máximo de 5. Esse é o nível mais baixo entre as 27 empresas do Bloomberg World Airlines Index que têm classificações. A Delta Air Lines tem a pontuação mais elevada, de 4,73.

A Cathay Pacific surpreendeu os investidores em 17 de agosto quando divulgou que o lucro líquido no período de seis meses até junho caiu para 353 milhões de dólares de Hong Kong (US$ 46 milhões), contra a mediana de estimativas de 1,07 bilhão de dólares de Hong Kong em uma pesquisa da Bloomberg News com quatro analistas. A ação caiu 12 por cento em dois dias, maior perda desde 2008. Nesta terça-feira as ações tiveram declínio de 0,4 por cento, enquanto o Hang Seng Index subiu 0,9 por cento.

A Cathay Pacific preferiu não comentar sobre o preço de sua ação e sobre a classificação de consenso. O conglomerado Swire Pacific, com sede em Hong Kong, é o maior acionista, com uma participação de 45 por cento.

Os rendimentos por passageiros caíram 10 por cento, para 54,3 centavos de Hong Kong, porque a desaceleração econômica na China prejudicou a demanda da classe premium e reduziu as viagens corporativas de Hong Kong a Londres e Nova York, segundo a Cathay Pacific. A empresa aérea perdeu 4,49 bilhões de dólares de Hong Kong fazendo hedge para o combustível no primeiro semestre do ano.

"Os resultados vieram como uma surpresa", disse Ajith Kom, analista da UOB Kay Hian em Cingapura, que mantém uma classificação de venda para a Cathay Pacific e uma meta de preço para 12 meses de 10,6 dólares de Hong Kong. Os custos crescentes e a queda dos rendimentos por passageiros continuarão pressionando os resultados da empresa no segundo semestre, disse ele.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos