Bolsas

Câmbio

Reforma trabalhista

Mercado vislumbra futuro sem Temer e com reformas

Josue Leonel

(Bloomberg) -- Uma semana após o abalo causado pelo áudio de conversas entre Michel Temer e o empresário Joesley Batista, o pessimismo no mercado dá sinais de refluxo. Sem ver maiores chances de sobrevivência do presidente, os investidores passam a vislumbrar uma mudança rápida de governo que preserve a agenda de reformas.

Bolsa e taxas de juros devolvem parte da oscilação da última quinta-feira, o pior dia do mercado brasileiro desde 2008, enquanto o câmbio dá alguns sinais de moderação. As incertezas, contudo, seguem muito altas e os ativos brasileiros estão longe de retomar os níveis anteriores à crise.

"Tudo reforça o nosso cenário de que o governo poderá cair rapidamente, em um ou dois meses", diz Christopher Garman, cientista político da Eurasia Consultoria, em Nova York, que prevê 70% de chances de Temer cair.

Incerteza

Para ele, a crise pode ter desfecho ainda mais rápido caso Temer decida não recorrer a uma possível decisão do TSE de cassar a chapa Dilma-Temer. Essa seria uma "saída honrosa" para o presidente, que sairia por irregularidades eleitorais, sem vincular a saída ao escândalo atual, como ocorreria em caso de renúncia.

A solução da crise vai depender das articulações para escolha do novo presidente, por via indireta, que já começaram mas ainda estão em estágio inicial, diz Garman. Para ele, o mais provável é que surja um nome de consenso da própria base governista atual, que é majoritária no Congresso, o que significa que a agenda de reformas também seria preservada.

Garman mantém a previsão de que as reformas trabalhista e previdenciária serão aprovadas, embora, diante do cenário mais desafiador, seja provável que haja mais "diluição", sobretudo nas mudanças das aposentadorias.

Consenso está em que a política econômica não seja modificada, ainda que não haja um nome natural e óbvio para o mercado, dentre os tantos cogitados para eventualmente suceder Temer, diz Carlos Kawall, economista do banco Safra.

"Não se está discutindo um vácuo que nos levasse de volta a uma política populista. Crise é grande, mas as instituições funcionam e o Congresso está mantendo um mínimo de atividade na agenda."

Candidatos

As incertezas, contudo, ainda são enormes. Entre os nomes citados pela mídia recentemente como possíveis candidatos a presidente estão alguns que são potenciais defensores das reformas, como FHC, que tentou sem sucesso mudar a Previdência em seu governo, seu correlegionário Tasso Jereissati, Henrique Meirelles, Rodrigo Maia e Nelson Jobim.

Para Garman, não existe candidato perfeito. Será sempre uma questão de "trade-off", diz o analista. Ou seja, o melhor candidato será aquele que reunir uma média de condições em termos de preparo e em relação à Justiça, mas também que tenha condições de angariar apoio no Congresso.

Qualquer solução terá que ser rápida, não apenas para que ainda haja tempo para tocar as reformas este ano, mas também para que a situação esteja pacificada antes das eleições de 2018. 

Relatório da Goldman Sachs alerta que a manutenção de uma incerteza política ampla e de longa duração seria "altamente corrosiva" para os preços dos ativos e para a economia. Entre as consequências macroeconômicas, o banco cita o risco de a recuperação esperada ser interrompida e, no extremo, haveria um duplo mergulho na recessão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos