PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Pessimistas recuam em meio à recuperação dos emergentes

Yumi Teso

25/09/2018 11h20

(Bloomberg) -- Após duas semanas de ganhos nos mercados emergentes, alguns investidores começam a ficar mais otimistas com a categoria.

O Morgan Stanley retirou a "previsão pessimista" para títulos e moedas de países em desenvolvimento, enquanto a Matthews Asia anunciou que este é o "melhor momento" para compra de ativos de nações emergentes desde o chamado "taper tantrum". A Tundra Fonder também tenta aproveitar o cenário após as perdas. Eric Robertsen, responsável global por pesquisa de câmbio e crédito da Standard Chartered, estima que os ativos de mercados emergentes estão nos níveis mais baratos em 10 a 15 anos.

Ressaltando o maior apetite dos investidores, o valor de mercado do maior fundo negociado em bolsa (exchange-traded fund ou ETF) que acompanha títulos de nações em desenvolvimento denominados em euros bateu recorde na semana passada.

"Os ativos emergentes subiram fortemente na última semana e achamos que isso marca o início de um período de estabilidade e mercados oscilando dentro de um intervalo definido", escreveram estrategistas do Morgan Stanley, incluindo James Lord, em relatório publicado na segunda-feira. "Achamos que o mundo continua difícil para os emergentes, mas provavelmente o ajuste já foi suficiente por ora."

Respostas mais contundentes de bancos centrais de países como Indonésia, Rússia e Turquia ajudaram a aliviar a queda nas ações e moedas da categoria para os menores patamares em mais de um ano. O MSCI Emerging Markets Currency Index subiu pela segunda semana seguida e teve o melhor desempenho semanal desde fevereiro. Um índice Bloomberg Barclays que acompanha títulos públicos denominados em moeda local avançou 0,5 por cento na semana passada, a maior alta desde março.

* O Morgan Stanley adotou posição neutra em títulos locais de países emergentes e está ampliando a exposição a moedas de alto rendimento de países como Argentina, Indonésia e Rússia, e retirou a rejeição ao Brasil, de acordo com o relatório. O banco elogiou títulos do México e retirou a rejeição a títulos do Brasil, Argentina e Rússia* A Tundra Fonder, que administra US$ 400 milhões em ativos em Estocolmo, investiu pela primeira vez na Turquia e enxerga oportunidades em nações como Malásia e Filipinas, disse o vice-diretor de investimentos, Shamoon Tariq.* Apesar da volatilidade "de chorar" nos mercados emergentes, "você é remunerado se aproveitar essa volatilidade", argumentou Robertsen, da Standard Chartered, durante evento em Joanesburgo.

"Quando ações e empresas ficam superbaratas, obviamente vale a pena dar uma olhada", segundo Tariq.

Embora alguns tenham ficado menos pessimistas em relação aos emergentes, a potencial escalada da disputa comercial entre EUA e China é vista como ameaça por outros.

Com pouca esperança de melhora significativa no comércio internacional e a perspectiva de desaceleração da economia chinesa, o interesse por ativos de países emergentes ficará contido nos próximos meses, acredita Per Hammarlund, estrategista-chefe para mercados emergentes da SEB em Estocolmo, de acordo com relatório recente.

Já para o Morgan Stanley, a movimentação dos mercados globais na semana passada sugere que há "prêmio de risco elevado para problemas comerciais embutido nas cotações dos ativos emergentes", embora o banco espere agravamento da tensão comercial.

--Com a colaboração de Andrew Janes, Paul Wallace, Alexandra Stratton, Ye Xie, George Lei e Faseeh Mangi.