PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Uber pede que Europa aumente investimento em transporte público

Natalia Drozdiak

15/01/2019 15h41

(Bloomberg) -- A Uber Technologies está promovendo uma nova ideia entre as autoridades europeias: investir no transporte público.

Em uma postagem de blog, a empresa insta as autoridades europeias a gastarem mais em infraestrutura de transporte, em um momento em que a empresa com sede em São Francisco busca transformar seu aplicativo em um serviço unificado de transporte para percursos de bicicleta, carro, ônibus e trem.

A mensagem chega em um momento delicado para a Uber, que está trabalhando para melhorar suas complicadas relações com as autoridades europeias e procurando se apresentar como parte de uma solução mais ampla de transporte nas cidades.

A Uber está se preparando para uma abertura de capital prevista para este ano. Para atrair os investidores, a empresa destaca seu potencial de crescimento em alguns mercados internacionais e sua capacidade para facilitar o transporte, sem limitar-se aos veículos particulares. A Uber adquiriu a startup de compartilhamento de bicicletas Jump no ano passado e recentemente começou a oferecer patinetes. A empresa afirma que esses serviços funcionam melhor como complemento do transporte público.

"Estamos convencidos de que as melhores soluções virão da colaboração entre os novos fornecedores de serviços de mobilidade e o transporte público", escreveu Pierre-Dimitri Gore-Coty, chefe da Uber na Europa, no Oriente Médio e na África, na publicação de blog. "Como as necessidades de mobilidade estão mudando rapidamente, este é o momento para reforçar os investimentos em uma estrutura de mobilidade integrada, com o transporte público em seu núcleo."

Relacionamento complicado

O relacionamento da Uber com os órgãos reguladores europeus tem sido complicado. As autoridades examinaram as práticas de proteção de dados da empresa e suas agressivas tentativas anteriores de expansão. Além disso, o principal tribunal da União Europeia decidiu que a Uber deveria ser tratada como uma empresa de transporte e não como uma simples prestadora de serviços digital.

Se a Uber avançar em uma melhor conexão entre o transporte público e o particular, reforçaria a mensagem do CEO Dara Khosrowshahi de que a empresa pode trabalhar bem com as autoridades. Isso também poderia promover os interesses dos concorrentes da Uber na região, como a Taxify ou o aplicativo Whim, da MaaS Global. Esses e outros operadores do setor buscam parcerias, ou já têm acordos, com agências de transporte público.

A Taxify, uma empresa de carona compartilhada da Estônia, respaldada pela Daimler e pela chinesa Didi Chuxing, planeja combinar várias opções de mobilidade em seu aplicativo, incluindo transporte público, à medida que se expande na Europa e na África, disse seu fundador e CEO, Markus Villig, em entrevista em dezembro.

"Cada vez mais, nosso objetivo é ser o único aplicativo que as pessoas vão usar -- seja onde for na Europa, o aplicativo poderá resolver todas as necessidades de transporte", disse Villig.

O aplicativo finlandês Whim oferece viagens ilimitadas em transporte público, acesso a bicicletas da cidade e táxis baratos de curta distância e aluguel de carros por uma taxa mensal. Ela opera em Helsinque, Birmingham, na Inglaterra e Antuérpia, na Bélgica, e pretende se expandir para 12 novas cidades nos EUA, Europa e Ásia neste ano.

A Uber se reuniu recentemente com a autoridade de transporte de Londres para discutir seus planos para integrar opções de transporte público com veículos e outros serviços, de acordo com um resumo enviado por e-mail em resposta a um pedido de informação. A Uber ainda está operando com uma licença provisória em Londres, pois as autoridades concluíram que a empresa não era apta para fazer negócios na cidade.

--Com a colaboração de Jonathan Stearns.