PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Pimco prefere platina, que parece barata em relação ao ouro

Ranjeetha Pakiam

16/01/2019 15h03

(Bloomberg) -- A platina pode ser o azarão entre os metais preciosos, segundo um gerente de recursos da Pacific Investment Management Company.

Nic Johnson, diretor-gerente e gerente de portfólio de commodities da Pimco, diz que prefere este metal ao ouro. Usada em catalisadores de motores de carros a diesel e joias, a platina está perto do menor preço da história em relação aos lingotes e ao paládio após a queda de 14 por cento do ano passado.

Os investidores apostaram em fundos voltados ao ouro e abandonaram a platina, que perdeu preferência devido à retração da demanda e ao excesso de oferta. A possibilidade de reversão da tendência, mesmo leve, representa uma oportunidade de compra, disse Johnson, em entrevista, de Newport Beach, Califórnia. Com US$ 1,72 trilhão sob gestão em setembro, a Pimco é uma das maiores administradoras de títulos do mundo.

"A platina é relativamente rejeitada e está relativamente barata em comparação com outros metais preciosos", disse Johnson, em entrevista, na semana passada. "Bastaria uma rotação de alguns por cento dos ativos em fundos negociados em bolsa, do ouro para a platina, para que houvesse um impacto realmente grande sobre os saldos de oferta e demanda e os preços da platina."

A platina foi o pior dos quatro principais metais preciosos no ano passado porque as preocupações ambientais estão reduzindo a demanda por automóveis movidos a diesel. Em contrapartida, a turbulência no mercado de ações e a postura cada vez mais dovish do Federal Reserve têm respaldado o ouro e a prata, e o paládio se beneficia do uso em veículos que rodam com gasolina.

O prêmio do ouro em relação à platina atingiu um recorde no começo de janeiro depois que a alta do último trimestre de 2018 reduziu seu declínio anual para apenas 1,6 por cento.

Os ativos em ETFs de lingotes estão perto do maior nível desde 2013 em meio à especulação maior de que o Fed possa reduzir o ritmo de aperto ou até parar o aumento das taxas de juros. Enquanto isso, os ativos em fundos de platina estão perto do menor patamar em cinco anos.

'Benefício assimétrico'

Sendo um mercado muito menor, até mesmo uma mudança marginal nos fluxos dos fundos do ouro pode gerar um enorme impacto nos preços da platina, segundo Johnson. O mesmo vale para o uso em joias, disse.

"A possibilidade de alguma rotação existe e pode gerar um benefício assimétrico para a platina", disse.

A platina à vista era negociada a US$ 800,12 a onça na quarta-feira, não muito longe do menor preço intradiário em uma década, e o ouro estava a US$ 1.290,65 a onça. O ouro pode continuar subindo para mais de US$ 1.400 neste ano se as taxas de juros mostrarem tendência de queda ou se os investidores evitarem as ações de risco em busca de refúgio, mas Johnson diz que o metal está com preço justo ou até mesmo marginalmente sobrevalorizado em alguns pontos percentuais.

"A platina é um metal mais atraente do que o ouro", disse.

--Com a colaboração de Rupert Rowling.