PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Guerra comercial com China aumenta apelo do milho nos EUA

Jeremy Hill

30/01/2019 14h59

(Bloomberg) -- O milho poderia ser um bastião lucrativo neste ano para os agricultores dos EUA.

O cereal tem o potencial de gerar mais lucros que a soja em regiões importantes, como a zona central de Illinois, o que poderia levar os agricultores americanos a dedicar alguns hectares aos grãos amarelos. Muitos dos produtores dedicados ao chamado plantio em fileiras nos EUA estão considerando semear mais milho e reduzir a quantidade de hectares com soja, enquanto acompanham as notícias sobre as negociações entre os EUA e a China nesta semana.

"Os produtores vão realmente considerar o milho como uma alternativa à soja neste ano", disse Gary Schnitkey, professor de agricultura da Universidade de Illinois em Urbana, em entrevista por telefone. "Há certo otimismo com o milho. Há menos com a soja."

A guerra comercial e uma grande safra sul-americana derrubaram os preços da soja dos EUA, que estão 15 por cento abaixo da alta de 2018. O milho se saiu muito melhor.

Os retornos sobre o hectare de milho neste ano devem eclipsar os de um hectare de soja em terras agrícolas de alta produtividade no centro de Illinois, a primeira vez que isso acontece desde 2015, de acordo com orçamentos criados por Schnitkey que pressupõem a rotação de culturas.

Outro apelo é que a safra de milho dos EUA é menos dependente dos mercados de exportação do que a safra de soja, disse Schnitkey. Nos últimos anos, os EUA exportaram cerca da metade de sua safra de soja, principalmente para a China, em comparação com 15 por cento do milho, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês).

Por estas razões, projeta-se que os hectares de milho vão crescer e que os hectares de soja vão diminuir neste ano. O plantio de soja nos EUA poderia cair 5,5 por cento, para 34,2 milhões de hectares, e o milho poderia crescer 1,3 por cento, para 36,5 milhões de hectares, de acordo com um relatório da Farm Futures deste mês. O USDA deve divulgar seu relatório de projeções de plantio no final de março.

Muitos produtores ainda não definiram sua área total e vão decidir nas próximas semanas, disse Ted Seifried, estrategista-chefe de mercado da Zaner Group em Chicago, por telefone. Uma resolução comercial e uma recuperação dos preços da soja poderiam representar uma nova mudança para as próximas decisões de plantio.

"Ainda restam alguns hectares decisivos", disse Seifried. "Se houver um pico na soja e o pessoal tiver a oportunidade de fazer vendas decentes, em comparação com o que temos visto, alguns hectares de soja vão se salvar."

--Com a colaboração de Shruti Date Singh.