PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Brexit está desviando IPOs para países nórdicos, afirma Nasdaq

Hanna Hoikkala

20/02/2019 15h01

(Bloomberg) -- As empresas que planejam vendas de ações estão se distanciando cada vez mais de Londres e voltando as atenções para os mercados nórdicos da Nasdaq, segundo a operadora de bolsa de valores com sede em Nova York.

Lauri Rosendahl, CEO da Nasdaq Nordic em Estocolmo, afirma que "mais de 10 por cento de todas as empresas com as quais conversamos atualmente sobre uma possível abertura de capital não são nórdicas. Há um ano, a proporção era, talvez, de 5 a 7 por cento".

O fenômeno coincide com a crescente preocupação das empresas com as consequências do Brexit diante da iminência do divórcio planejado entre o Reino Unido e a União Europeia sem nenhum caminho à vista para um acordo de saída adequado.

Rosendahl afirma que o interesse vem de empresas com sede na Irlanda, entre outros países. Em relação aos setores, Rosendahl aponta empresas de tecnologia de saúde, softwares de jogos e tecnologia financeira como exemplos para os quais o futuro parece mais promissor nos países nórdicos do que em Londres.

No ano passado, a Zutec Holding se tornou a primeira empresa irlandesa a abrir o capital em Estocolmo. O CEO Brendan O'Riordan disse na época que o Brexit pesou na decisão, assim como o fato de a Suécia ter uma comunidade de investidores "com conhecimento sobre tecnologia".

O porta-voz da London Stock Exchange Group, Christopher Loscher, preferiu não comentar.

Batalha para aquisição

A Nasdaq briga com a Euronext pela compra da maior bolsa de valores da Noruega, a Oslo Bors. Pela situação atual, a Nasdaq é respaldada por acionistas que representam pouco mais de 35 por cento da Oslo Bors, enquanto a Euronext tem pouco mais de 50 por cento. As duas ofertantes afirmam que estão comprometidas com o fechamento do negócio, e a Euronext recentemente subiu a oferta para reforçar sua posição.

A Nasdaq já opera bolsas em Estocolmo, Copenhague, Helsinque e Reykjavik e argumenta que representa uma escolha estratégica melhor para a Oslo Bors. A Euronext afirma que transformaria Oslo em seu centro de operações nos países nórdicos com a perspectiva de se expandir na região.

As aberturas de capital da Nasdaq Nordic perderam força no segundo semestre do ano passado porque a volatilidade dos mercados dissuadiu algumas empresas. Em 2018, houve 83 aberturas de capital realizadas por meio da operadora de bolsas de valores, contra 115 no ano anterior, um recorde.

Rosendahl diz que a Nasdaq Nordic atualmente conta com um grande grupo de empresas que estudam aberturas de capital para este ano.

"O único setor hesitante é o imobiliário, particularmente na Suécia, que enfrenta as maiores incertezas em termos de perspectivas devido às preocupações com o mercado imobiliário", disse.