PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bayer perde 1ª fase de julgamento que envolve o Roundup nos EUA

Joel Rosenblatt e Tim Loh

20/03/2019 12h42

(Bloomberg) -- A Bayer perdeu a primeira fase de um julgamento em torno de acusações de que o herbicida Roundup causa câncer. Agora, entra a segunda fase para determinar responsabilidades e indenizações no caso de um homem que usou o spray em sua propriedade durante décadas.

Essa próxima etapa será mais rigorosa. Serão apresentados aos jurados emails comprometedores e outras evidências de que a companhia manipulou a opinião pública para acabar com questionamentos sobre o impacto do produto na saúde e para promover o herbicida campeão de vendas.

Após a Bayer ser derrotada no primeiro julgamento nos EUA envolvendo o Roundup, a decisão de terça-feira provavelmente deixará a empresa mais inclinada a entrar em acordo, segundo analistas. Eles preveem que resolver mais de 11.000 processos relacionados nos EUA ? que a Bayer herdou quando comprou a Monsanto ? poderia custar até US$ 5 bilhões.

O veredito "provavelmente resultará em uma enxurrada de processos movidos rapidamente" contra a Bayer e "pode acelerar o acordo final" para encerrar as queixas contra o Roundup, afirmou Anna Pavlik, conselheira sênior para situações especiais da United First Partners, em Nova York. Pavlik alertou que a Bayer e os advogados dos acusadores devem manter noções muito distantes do valor que resolveria os processos.

O julgamento em um tribunal federal em São Francisco foi estruturado de modo mais favorável para a Bayer do que o primeiro, realizado no terceiro trimestre do ano passado. Na ocasião, um tribunal estadual da Califórnia concedeu ao ex-jardineiro de uma escola uma indenização que, mesmo após ser reduzida pelo juiz, chegou a US$ 78,6 milhões.

A pedido da empresa, o procedimento foi desmembrado de modo a focar a atenção dos jurados primeiramente no aspecto médico, que questionou se a exposição ao Roundup foi "fator significativo" que levou ao linfoma não Hodgkin de Edwin Hardeman. A Bayer argumenta que esse tipo de câncer foi causado principalmente pela hepatite que Hardeman carregou por décadas.

A decisão foi contra a Bayer e os jurados agora ouvirão depoimentos por mais duas semanas para determinar se a empresa é responsável pelo câncer de Hardeman e, no caso, quanto deve pagar de indenização.

É quase certo que ressurgirão evidências de que a Monsanto esteve por trás de trabalhos científicos sobre o tema e influenciou autoridades para garantir que o Roundup é seguro. As revelações foram cruciais no veredito anterior, que derrubou as ações da Bayer.

O juiz responsável, Vince Chhabria, revelou em uma ordem pré-julgamento a dificuldade que a Bayer agora enfrenta.

Embora as evidências de que o Roundup provoque câncer estejam "bastante abertas a interpretações", escreveu o juiz, "há fortes evidências a partir das quais um jurado poderia concluir que a Monsanto não se importa se um produto de fato esteja causando câncer nas pessoas, focando em vez disso em manipular a opinião pública e enfraquecer quem expõe preocupações genuínas e legítimas sobre o assunto."

Repórteres da matéria original: Joel Rosenblatt em São Francisco, jrosenblatt@bloomberg.net;Tim Loh em Munich, tloh16@bloomberg.net