PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

China pode autorizar importações de carne de mais países

Bloomberg News

10/06/2019 12h03

(Bloomberg) -- Pequim se prepara para permitir a importação de carne de mais países em uma tentativa de compensar uma possível falta de carne de porco diante do surto de gripe suína africana que dizima plantéis de suínos no país, segundo a Associação de Carne da China.

A China pode suspender as restrições à importação de carne de búfalo da Índia, bem como de vacas vivas e ovelhas da Mongólia e carne de porco da Rússia, disse Gao Guan, vice-presidente da associação, na segunda-feira em Pequim. A China também procura antecipar a retomada das importações de carne bovina do Reino Unido para este ano, depois de ter concordado em suspender a proibição em 2018, disse. A previsão anterior era de que as exportações britânicas fossem liberadas apenas em 2020.

"Embora a China esteja impulsionando a própria produção, mais países também poderão exportar para o país após o surto de gripe suína africana", disse Gao. "O aumento das importações de carne cobrirá qualquer potencial escassez de proteína animal no país."

Atualmente, as exportações de certos países estão limitadas por várias razões, como a doença da vaca louca e a gripe suína. Ainda não há um prazo para as mudanças, que aguardam a aprovação final da alfândega chinesa, disse Gao. A Administração Geral de Alfândegas não estava disponível para comentários.

Pequim tenta aumentar o leque de países de onde importa carne. A China já abateu mais de 1 milhão de suínos para conter a propagação da gripe suína africana. Além disso, tem evitado importar dos Estados Unidos por causa da disputa comercial com Washington. A China recentemente permitiu importações de aves da Rússia pela primeira vez desde a era soviética.

O ministro da Agricultura da Alemanha planeja visitar a China no fim de semana, em uma tentativa de reduzir as restrições ao comércio de produtos como carne bovina e aves, segundo um comunicado de imprensa divulgado na segunda-feira.

Aumentar os mercados fornecedores de carne testada e certificada também ajudaria a reduzir o contrabando no país, disse Gao. Pequim recentemente reforçou os controles nas fronteiras para reprimir o comércio ilícito de produtos de países vizinhos.

A produção de carne de porco da China pode cair cerca de 30% em 2019 sob o impacto da gripe suína africana, segundo estimativas do Rabobank de abril. Uma queda dessas proporções seria quase equivalente à oferta anual de carne suína da Europa, disse o banco.

To contact Bloomberg News staff for this story: Shuping Niu em Beijing, nshuping@bloomberg.net;Megan Durisin em Chicago, mdurisin1@bloomberg.net

PUBLICIDADE