PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

CEO do maior banco da Dinamarca fornece e-mail para boas ideias

Frances Schwartzkopff

24/07/2019 14h43

(Bloomberg) -- O novo presidente do Danske Bank diz que qualquer pessoa com boas ideias sobre como administrar a instituição pode entrar em contato com ele.

Cerca de um ano e meio depois do Danske ser punido pelo regulador financeiro por uma cultura que desestimulava os funcionários a expressarem suas opiniões, o banco decidiu adotar a transparência. Chris Vogelzang, um ex-banqueiro do ABN Amro que assumiu o posto de CEO do Danske no mês passado, diz que gostaria de receber diretamente as ideias de investidores e funcionários.

"Estamos tentando ser o mais transparentes possível", disse Vogelzang em entrevista. "Quero que todos no banco possam falar caso acreditem que as coisas podem melhorar." O executivo diz que forneceu seus dados de contato à equipe e a outras pessoas em toda a Escandinávia, "para que as pessoas possam me enviar e-mails sobre o que acham que deveria acontecer .

Um banqueiro do setor de varejo que ajudou a encaminhar o ABN Amro depois de o banco ter sido resgatado pelo estado holandês, Vogelzang foi contratado para ajudar o maior banco da Dinamarca a lidar com as consequências de um esquema de lavagem de dinheiro de US$ 230 bilhões que eclodiu no ano passado. O caso acabou com a carreira do então CEO do Danske, Thomas Borgen, que agora enfrenta, com outros vários ex-executivos, acusações criminais preliminares.

A Autoridade de Supervisão Financeira da Dinamarca disse no ano passado que a cultura "ágil e eficiente" do Danske provavelmente contribuiu para um escândalo tão devastador. Sob o antigo alto comando do banco, a ideia era "resolver problemas em um nível mais baixo, em vez de chamar a atenção das pessoas em níveis superiores", disse o diretor-geral da agência, Jesper Berg, em maio de 2018. "Obviamente, isso revela um problema em termos de cultura."

O escândalo de lavagem de dinheiro, que se concentrou nas operações do Danske na Estônia entre 2007 e 2015, surpreendeu os investidores, o público em geral e o "establishment" político da Dinamarca. As ações do banco caíram cerca de 60% - uma perda de US$ 20 bilhões em valor de mercado - desde o início do ano passado, enquanto os acionistas se preparam para multas que podem ficar na casa dos bilhões de dólares.