PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Google vai escutar novamente conversas, mas pedirá permissão

Gerrit De Vynck

23/09/2019 15h17

(Bloomberg) -- Funcionários do Google ouvirão trechos de conversas de pessoas com o assistente de voz digital da empresa para ajudar a melhorar a qualidade do produto, caso os usuários derem permissão para fazê-lo.

O Google havia suspendido todas as atividades de revisão humana do áudio do assistente em julho, depois que um terceirizado na Holanda vazou alguns clipes para um jornalista, que foi capaz de identificar pessoas específicas nas gravações. Na segunda-feira, o Google disse que está retomando a revisão de áudio, mas com um novo conjunto de precauções para proteger a privacidade dos clientes.

O Google e outras empresas como Amazon.com usam transcrição humana para verificar tradutores automáticos e torná-los mais inteligentes. A prática é generalizada, mas deixou alguns usuários nervosos com o fato de gigantes de tecnologia estarem monitorando suas conversas. As empresas argumentam que os trechos de áudio não estão vinculados a informações de identificação pessoal.

De acordo com a nova política do Google, a empresa informará aos usuários que seu áudio poderá ser ouvido se optarem por um recurso que também melhore a qualidade do áudio, disse Nino Tasca, gerente sênior de produtos da equipe Assistant do Google, em um post no blog da empresa. O Google também tenta reconhecer com mais precisão o áudio capturado acidentalmente. Normalmente, o assistente só ouve quando uma pessoa diz: "Olá, Google", mas, ocasionalmente, o computador pode interpretar equivocadamente outra palavra como se fosse esse "chamado" e começar a ouvir quando o cliente não está ciente.

O Google também disse que os usuários podem visualizar suas interações anteriores com o assistente de voz e excluir qualquer uma delas a qualquer momento.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net