IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Real só ganha do peso chileno desde frustração com o pré-sal

Ilton Rogerio/iStockphoto
Imagem: Ilton Rogerio/iStockphoto

Josue Leonel

19/11/2019 13h28

Dólar se mantém perto das das suas máximas históricas, fazendo do real a moeda com 2º pior desempenho entre 24 principais divisas emergentes desde 6 de novembro, quando o leilão da cessão onerosa de petróleo, com baixa participação estrangeira, frustrou a expectativa do mercado de um fluxo cambial positivo no final do ano. Apenas o peso chileno, que desabou no período com os protestos no país, perdeu mais que o real.

Ao retomar o nível superior a R$ 4,20, o câmbio gerou entre alguns operadores a expectativa de que o Banco Central possa atuar caso a moeda tenha volatilidade excessiva e o mercado se mostre disfuncional. Em 27 de agosto, o Banco Central surpreendeu com um leilão de venda de dólares à vista, sem a contrapartida do swap reverso, quando a moeda estava em nível pouco abaixo do atual.

Nesta terça-feira, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que, se o câmbio começar a afetar a expectativa de inflação, o BC terá de fazer uma "atuação diferente". Alguns analistas entenderam que ação do BC poderá ocorrer na política monetária e não necessariamente no câmbio.

Se o real tiver um desempenho pior do que os seus pares por larga margem, o Banco Central poderá ficar "mais ativo", diz Danny Fang, estrategista para mercados emergentes do BBVA. "O fato de o peso chileno estar se saindo muito pior certamente reduz as chances de um envolvimento significativo do BC brasileiro neste momento."

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Alta do dólar afeta viagens e aumenta preços para turistas

Band Notí­cias

Economia