PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Professor lidera empresa chinesa vital para futuro do transporte

Bloomberg News

26/11/2019 09h00

(Bloomberg) -- O ex-professor universitário no comando de uma das empresas mais cruciais para o futuro do transporte manda um alerta para quem está de olho em seu setor.

"Quero dizer a todos que querem entrar nesse mercado: não façam isso, vão desperdiçar seu dinheiro", disse Xu Kaihua, presidente da fornecedora chinesa de metais para baterias GEM. "Apenas os cinco maiores sobreviverão."

A empresa, fundada em 2001 por Xu em Shenzhen, adotou um modelo de negócios abrangente que se tornou central para cadeias de suprimentos, desde minas de cobalto e níquel da África e Sudeste Asiático até motores da Volkswagen e BMW. A presença diversificada da GEM inclui uma unidade na Indonésia, o que permitirá escapar da proibição de exportação de níquel imposta pelo país. E a empresa já é a maior recicladora global de metais a partir de baterias usadas.

A estratégia inseriu a GEM em um pequeno grupo de empresas chinesas, que incluem Zhejiang Huayou Cobalt e Jinchuan Group, cujo perfil relativamente discreto esconde seu significado coletivo para o futuro do uso de energia. A GEM fabrica produtos químicos de alta pureza derivados de níquel, cobalto e lítio, que serão necessários em grandes quantidades durante a próxima década, diante da eletrificação das frotas de montadoras.

A GEM tem "uma posição única" na cadeia de fornecimento de baterias, disse Hans Eric Melin, fundador da consultoria londrina Circular Energy Storage, que visitou as instalações da empresa. A empresa conseguiu alavancar "seu papel histórico como recicladora para se tornar uma das principais empresas de materiais de baterias." A empresa também é a queridinha do mercado no setor: 11 dos 12 analistas pesquisados pela Bloomberg têm recomendação de compra para a ação da empresa listada em Shenzhen.

Em entrevista no início do mês em Yichang, província de Hubei, onde a empresa opera uma das 15 fábricas na China, Xu falou sobre um "sonho verde" que levou sua mudança da academia para o comércio. "Quando você abre uma empresa, precisa ter uma visão. Entendi que, no final das contas, precisaríamos usar a reciclagem para resolver o problema de recursos limitados", afirmou.

Xu, agora com 53 anos, se especializou em reciclagem de metais na Universidade Central do Sul, na província vizinha de Hunan. Seu objetivo é que a GEM colete e processe 30% das baterias descartadas de veículos elétricos da China, aproveitando o maior volume de unidades que retornarão à cadeia de suprimentos na próxima década.

"Agora todo mundo está falando sobre reciclagem de baterias, é um tópico muito popular, mas há poucos que conseguem fazer isso corretamente", disse Xu.

Reciclagem

Cerca de 39 mil toneladas de cobalto e 125 mil toneladas de níquel poderiam vir de baterias usadas até 2030, ajudando a compensar qualquer déficit na oferta minerada, de acordo com a BloombergNEF. Para o cobalto, esse volume atenderia a mais de 10% da demanda projetada. Até 2025, a GEM quer coletar 8,5 mil toneladas de cobalto e 19 mil toneladas de níquel de reciclagem.

To contact Bloomberg News staff for this story: Martin Ritchie Shanghai, mritchie14@bloomberg.net