PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Twitch aposta em programas de entrevista e paquera para gamers

Lucas Shaw

07/05/2020 14h20

(Bloomberg) — O Twitch, site de vídeos on-line popular entre gamers, quer sua própria versão do programa "The Bachelor".

A empresa planeja financiar séries originais e sem roteiro interativas e transmitidas ao vivo duas a três vezes por semana, segundo documento interno visto pela Bloomberg. Os gêneros preferidos são jogos, programas de namoro, esportes, música e entrevistas, muitos dos pilares de reality shows.

A crise global de saúde proporcionou ao Twitch, controlado pela Amazon.com, uma rara oportunidade de ampliar seu público e experimentar novos tipos de programação. Embora muitas redes de TV tenham se esforçado para produzir programas durante a pandemia, as personalidades mais populares do Twitch sempre se filmaram em casa.

O uso do Twitch, que permite que as pessoas assistam gamers altamente habilidosos jogarem títulos como Valorant, Fortnite e Call of Duty, disparou desde que o coronavírus obrigou as pessoas a ficarem em casa. O público do site passou mais de 1,2 bilhão de horas assistindo ao Twitch no mês passado, um recorde, de acordo com a Streamlabs.

A empresa não tenta abandonar sua base de fãs jovens de videogame do sexo masculino. O Twitch disse aos parceiros que busca programas que apelem a dois dados demográficos: fãs de games entre 18 e 24 anos e qualquer pessoa entre 18 e 24 anos interessada em entretenimento em geral. A programação original exclusiva do Twitch pode ajudar a apresentar talentos de nível intermediário a alguns desses novos espectadores e potencialmente atrair novas estrelas para a plataforma.

Muitos músicos, comediantes e celebridades, agora sem poder se apresentar em bares ou fazer filmes, também começaram a aparecer no Twitch.

A empresa planeja gastar entre US$ 50 mil e US$ 250 mil por semana nessas séries, o que incluiria de quatro a 10 horas de programação. Os números empalidecem em comparação com os investimentos da TV a cabo, sem falar na Netflix ou na HBO, mas seriam uma quantia suficiente para quem transmite diariamente da própria casa.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia