PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Opep+ quer compensação maior de países que trapacearam em cortes

Grant Smith

14/07/2020 15h24

(Bloomberg) -- Depois de determinar punições para trapaças nas cotas, a Opep+ tem algumas novas transgressões a serem consideradas.

Há um mês, o cartel descobriu que infratores, incluindo Iraque, Nigéria e Cazaquistão, não cumpriram cerca de 13% dos cortes de oferta que deveriam ter feito em maio. A reunião de um comitê de supervisão na terça-feira concluiu que muitos desses membros se esforçaram mais em junho, mas ainda não fizeram o suficiente.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados estão restringindo a oferta, numa tentativa de reanimar um mercado de petróleo abalado pela crise de Covid-19. O excesso de produção em maio, que totalizou 1,26 milhão de barris por dia, prejudicou esse esforço.

Em junho, o Iraque, a Nigéria e os outros retardatários da Opep produziram 380.000 barris por dia em excesso.

Os trapaceiros foram ordenados a compensar o feito com cortes extras de julho a setembro. Um cronograma de reparações foi acordado no mês passado, mas quando a Arábia Saudita, a Rússia e outros membros da aliança se reunirem na quarta-feira, eles poderão exigir penitência extra.

Os operadores de petróleo estarão observando esses "cortes de compensação" de perto. A Opep+ deve começar a diminuir seus limites de oferta de 9,6 milhões de barris por dia atualmente para 7,7 milhões em agosto. Mas enquanto Riad, Moscou e os outros participantes bem-comportados conseguirem aumentar a produção no próximo mês, os infratores terão que manter um controle mais rígido.

Isso significa que o suprimento adicional de petróleo do grupo em agosto pode ficar aquém dos 1,9 milhão de barris por dia acordados.

©2020 Bloomberg L.P.