Bolsas

Câmbio

China promete mais reformas financeiras ao somar o iuane à cesta do FMI

Pequim, 1 out (EFE).- O Banco Popular da China (banco central chinês) prometeu neste sábado mais reformas para "expandir a abertura financeira" do país, a segunda maior economia do mundo, e contribuir para o crescimento e a estabilidade das finanças globais.

Em comunicado, o banco central chinês aplaudiu a entrada do iuane (ou "renminbi", que significa "moeda do povo") na cesta de moedas que o Fundo Monetário Internacional (FMI) utiliza para calcular os direitos especiais de giro (DEG), sua divisa interna.

A partir deste sábado, o iuane se soma a dólar, euro, iene e libra esterlina como as divisas de referência para o Fundo, como aprovou seu Diretório Executivo em novembro do ano passado.

Para a autoridade monetária chinesa, se trata de um "marco" na internacionalização do iuane e de um "reconhecimento ao progresso no desenvolvimento econômico, na reforma e na abertura da China" que, segundo sua opinião, aumenta a "representatividade" e o "atrativo" dos DEG.

"A China aproveitará esta oportunidade para aprofundar suas reformas financeiras, para expandir sua abertura financeira e contribuir para o crescimento global, a estabilidade financeira e um melhor governo econômico mundial", afirmou o banco central do país.

Por causa da inclusão do iuane, o governo chinês está tentando promover o uso dos DEG e, assim, realizou no dia 1º de setembro a primeira emissão de bônus denominados nesta divisa desde 1981 no mercado interbancário do país, realizada pelo Banco Mundial.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos