PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Lucro do Santander Brasil subiu 25,4% no primeiro trimestre

24/04/2018 22h44

São Paulo, 24 abr (EFE).- A filial brasileira do Banco Santander registrou um lucro de R$ 2,859 bilhões no primeiro trimestre deste ano, o que equivale a um aumento de 25,4% a respeito do mesmo período do ano passado e um novo recorde histórico, informou nesta terça-feira a entidade.

Os lucros obtidos entre janeiro e março de 2018 aumentaram 3,9% frente ao quarto trimestre de 2017, quando alcançaram R$ 2,752 bilhões, de acordo com um relatório enviado ao mercado financeiro e baseado no modelo contábil brasileiro.

O banco afirmou que os históricos resultados estiveram impulsionados pelo "crescimento da vinculação" e pela "maior transnacionalidade dos clientes", assim como pela retomada do crédito.

Os ingressos totais durante os três primeiros meses do ano alcançaram R$ 14,298 bilhões, um número 13,7% maior em relação ao mesmo período do ano passado.

A operação no Brasil voltou a situar-se no fechamento de março como a que mais contribuiu para os resultados globais do Santander, representando 27% do total do grupo.

A margem financeira bruta no primeiro trimestre do ano ficou nos R$ 10,163 bilhões, o que equivale a uma variação positiva de 14,6% na comparação anual e de 7% frente aos três meses anteriores.

Já a pasta total de créditos registrou um significativo crescimento de 8,7% nos últimos 12 meses, até R$ 353,920 bilhões.

Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, a pasta total de créditos subiu 1,7%.

"O aquecimento das atividades de comércio é um forte indicador de que estamos apoiando a retomada da economia e, mais importante, que estamos preparados para continuar fazendo-o na medida em que o país volte a crescer de acordo com seu potencial", afirmou o presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, citado em comunicado.

"A expansão da carteira de crédito é sustentada porque ocorre sobre um balanço sólido e com qualidade na gestão de risco", acrescentou na nota.

O índice de inadimplência em operações vencidas a 90 dias fechou o trimestre em 2,9%, a mesma porcentagem que há um ano e três décimos a menos que em dezembro do ano passado (3,2%).