PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Greve e manifestações marcam Dia da Mulher na Espanha

08/03/2019 09h15

Madri, 8 mar (EFE).- Organizações feministas, sociais e sindicais, apoiadas por partidos de esquerda principalmente, comemoram nesta sexta-feira o Dia da Mulher na Espanha com uma greve, interrupções trabalhistas parciais, atos e manifestações reivindicando igualdade de tratamento e oportunidades.

O país viveu uma semana intensa de mobilizações "lilases" (a cor do movimento feminista) de conscientização social em defesa das mulheres e de seus direitos, contra a violência de gênero e as agressões sexuais.

Em 2018, a Espanha fez história com a convocação da primeira greve geral feminista e manifestações de mulheres e homens para exigir igualdade real.

Depois de meia-noite, centenas de pessoas começaram este 8 de março com panelaços, músicas e palavras de ordem feministas no centro de Madri, onde foi convocada uma manifestação para as 19 horas, com a lema "Somos imparáveis, feministas sempre!".

Outra das principais manifestações feministas do dia vai acontecer em Barcelona, com a lema "Paramos para mudar tudo".

Manifestantes que seguem a greve feminista bloquearam o trânsito no começo da manhã, o que complica a circulação tanto no interior da capital catalã como nas vias de entrada, informaram fontes oficiais.

Os sindicatos espanhóis UGT e CCOO acreditam que a adesão à greve contra a discriminação trabalhista, econômica, social e política das mulheres será um "sucesso".

Assim, pediram a participação de todos, tanto mulheres como homens, nas concentrações e em outros protestos que vão acontecer durante todo o dia.

"Queremos uma Espanha feminista. Porque só a partir do feminismo acabaremos com a violência de gênero e alcançaremos a igualdade real", escreveu hoje o presidente do Governo espanhol, o socialista Pedro Sánchez, no Twitter.

O conservador Partido Popular, que é o principal da oposição, pediu para toda a sociedade espanhola, "sem exclusões", que se una à causa do Dia Internacional da Mulher, pois ela precisa da participação de todos, "independente de abordagens políticas ou ideológicas". EFE