PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Mais de 40% das famílias da região de Buenos Aires se endividaram na pandemia

05/04/2021 22h23

Buenos Aires, 5 abr (EFE).- Quatro em cada dez famílias da região metropolitana de de Buenos Aires, a mais populosa da Argentina, foram obrigadas a se endividar para enfrentar o impacto econômico causado pela pandemia de covid-19, de acordo com os resultados de um estudo oficial divulgado nesta segunda-feira.

O segundo relatório do estudo de impacto da pandemia realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Censo (Indec) mostrou que em 70,6% de todos os domicílios pesquisados foi tomado algum tipo de medida para lidar com os efeitos econômicos da crise sanitária.

As principais foram o uso da poupança familiar ou a venda de pertences (44,7%) e o endividamento (41,5%).

"No caso de famílias que relataram ter tido uma redução em sua renda ou problemas trabalhistas, os percentuais aumentam para 53,8%", afirma o relatório oficial.

Já para as famílias cujo chefe tem baixo nível de educação, a porcentagem chegou a 50,5%.

O estudo de impacto foi realizado no ano passado entre famílias da capital argentina e sua região metropolitana, onde vivem 15,4 milhões de pessoas - a população total da Argentina é de cerca de 45 milhões de habitantes.

Segundo dados oficiais, a taxa de pobreza na Grande Buenos Aires foi de 44,3% no segundo semestre do ano.

O relatório apontou ainda que a redução no consumo de alimentos por razões econômicas também tem sido uma estratégia relevante para as famílias cuja renda diminuiu ou teve problemas trabalhistas (45,3%) e para aquelas em que o chefe de família tem um baixo nível de educação (44,7%).

A economia da Argentina, que está em recessão há três anos, despencou 9,9% em 2020, em grande parte devido aos efeitos da pandemia. EFE

nk/id

PUBLICIDADE