Bolsas

Câmbio

AEB critica uso do Reintegra para cobrir redução de tributos sobre o diesel

Lorenna Rodrigues e Adriana Fernandes

Brasília

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, criticou a intenção do governo de cortar parte do Reintegra para ajudar a compensar a perda de arrecadação que terá com a redução de tributos sobre o diesel, acordada com caminhoneiros em greve. O Reintegra é o programa que prevê a devolução de 2% do faturamento de empresas com exportação de produtos industrializados.

Para Castro, os exportadores terão dois aumentos de custos advindos das negociações do governo - a reoneração da folha de pagamentos, que atingirá o setor, e a redução do Reintegra. "Os manufaturados brasileiros já estão sem competitividade, vamos nos tornar uma colônia exportadora de commodities", afirmou.

No ano passado, o governo gastou com o Reintegra cerca de R$ 3 bilhões, valor que deverá ser maior em 2018 com o crescimento das vendas de manufaturados, que subiram quase 20% de janeiro a abril. Segundo o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. apurou, o Ministério da Fazenda já vinha discutindo acabar com o Reintegra para 2019. A avaliação em áreas do governo é que a equipe econômica quer aproveitar a crise dos combustíveis para emplacar essa e outras demandas.

Para Castro, mexer no Reintegra neste ano prejudicaria a previsibilidade nas operações. "Nós fazemos contratos de três, cinco anos para venda de manufaturados. O governo não pode mexer na regra do jogo assim", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos