ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Venda de reservas será somente em caso de crise especulativa, diz Paulo Guedes

Vinicius Neder

Rio

30/10/2018 12h01

A proposta de vender parte das reservas internacionais, discutida na equipe que trabalha no programa de governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, seria usada apenas em caso de crise especulativa no câmbio, afirmou nesta terça-feira, 30, o economista Paulo Guedes, responsável pela área econômica do futuro governo. Segundo Guedes, a equipe de assessores econômicos debateu o assunto um mês atrás, quando o dólar estava cotado na casa de R$ 4,10. A vende de reservas seria usada, portanto, apenas em caso de desvalorização cambial.

"Se o dólar chegar a R$ 5,00, vai ser muito interessante, porque vamos vender US$ 100 bilhões. São R$ 500 bilhões. Na mesma hora, vai recomprar dívida interna. Chama-se política de esterilização. Não vai se fazer isso", afirmou Guedes, em entrevista a jornalistas pouco antes de entrar na casa do empresário Paulo Marinho, no Rio, onde está reunido neste momento com Bolsonaro.

Segundo Guedes, sem ataque especulativo no câmbio, não haveria motivos para vender as reservas. "O dólar agora está a R$ 3,60, para que vou vender dólar? Para derrubar as exportações?", afirmou o economista.

Guedes deixou clara a disposição de vender reservas caso a cotação do dólar suba. "Se houver uma crise especulativa, não tem problema nenhum, vai acelerar nosso ajuste fiscal", afirmou Guedes.

Para o economista, o custo de manter as reservas internacionais é elevado e elas não seriam necessárias em nível tão elevado se as contas públicas fossem equilibradas. "Quando você tem um regime fiscal robusto, não existe essa necessidade de carregar tantas reservas, porque é um seguro muito caro", disse Guedes.

Mais Economia