PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Mourão, sobre idade mínima para mulheres: Bolsonaro foi mal interpretado

O vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão - Sérgio Lima/AFP
O vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão Imagem: Sérgio Lima/AFP

Mariana Haubert

Brasília

01/03/2019 15h48

O vice-presidente Hamilton Mourão minimizou nesta sexta-feira (1º) a sinalização do presidente Jair Bolsonaro de que pode ceder em alguns pontos da reforma da Previdência, como a redução da idade mínima de aposentadoria para mulheres. De acordo com Mourão, Bolsonaro foi "mal interpretado".

"O presidente mostrou que tem coisas que o Congresso poderá negociar ou mudar. Só isso. Não que ele concorde", disse. Mais cedo, o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), também disse que a fala do presidente de quinta-feira (28) apenas sinalizou "a disposição do governo de negociar".

Mourão também disse que a reforma da Previdência agora é do Congresso, que vai analisar a proposta feita pelo governo e vai fazer as mudanças que julgar necessárias. "O governo não tem que concordar. A partir de agora está na mão do Congresso, que é o local para discutir o assunto porque ali estão os representantes de todos os segmentos da população", disse.

Crise com a Venezuela

Mourão também reiterou a informação dada nesta manhã pelo chanceler Ernesto Araújo de que o Brasil não tem procurado representantes do regime de Nicolas Maduro para estabelecer qualquer tipo de diálogo com o governo da Venezuela.

Na quinta, Bolsonaro admitiu que poderia conversar com Maduro. Segundo Mourão, o presidente respondeu a uma "pergunta hipotética". Porém, sobre um possível diálogo, Mourão disse que "alguém tem que conversar".

"O Donald Trump não foi conversar com o Kim Jong-un?", disse em alusão ao recente encontro entre o presidente dos Estados Unidos e o líder da Coreia do Norte.