Topo

MME discute com Economia linha de financiamento do BNDES para usinas a carvão

Wellington Bahnemann

São Paulo

18/10/2019 17h39

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Reive Barros, revelou que o MME vem mantendo conversas com o Ministério da Economia para a criação de uma linha de financiamento específica para termelétricas a carvão mineral. "A expectativa é de viabilizar alternativas de financiamento, de modo que o BNDES venha a voltar a financiar essas térmicas", afirmou o executivo, em coletiva de imprensa do leilão A-6 nesta sexta-feira.

Segundo Barros, o MME deve lançar até o final do ano um programa específico para viabilizar térmicas a carvão nos Estados de Rio Grande do Sul e Santa Catarina, onde se concentram as principais reservas de carvão mineral do Brasil. "Essa é uma fonte energética importante, principalmente na Região Sul, por estar próxima do centro de carga", afirmou o secretário.

Contudo, o executivo disse que os empreendedores de carvão têm encontrado dificuldades de tirar os seus projetos do papel em função da ausência de agentes interessados em financiar esses projetos. "Os investidores não estão encontrando alternativas de financiamento nem a nível nacional, nem a nível internacional", disse Barros, sinalizando, neste sentido, a possibilidade de o BNDES vir a cumprir esse papel no novo programa para o carvão.

Atualmente, o carvão mineral é apontado como um das principais causadores das mudanças climáticas em nível global, o que tem feito com que empresas e financiadores diminuam os seus investimentos nesta fonte. No Brasil, a última usina a carvão a ser contratada foi a térmica Pampa Sul, da Engie, em leilão realizado em 2014 e que está em início de operação comercial.

"A nossa expectativa no MME é criar as condições necessárias para que se possa retomar a construção de térmicas a carvão no Sul do Brasil", afirmou. No leilão A-6, nenhuma térmica a carvão foi contratada. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) havia habilitado quatro usinas a carvão mineral no Rio Grande do Sul, totalizando 1,667 mil MW de capacidade.

Economia