PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Veto presidencial vai controlar aumento de salários de funcionalismo, diz Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília -
Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília

Anne Warth e Wagner Gomes

Brasília

29/05/2020 11h33

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o veto presidencial que manteve o congelamento de salários de servidores públicos até o fim de 2021 vai ajudar a controlar os gastos dos estados. Em webinar (seminário virtual) do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) sobre o novo mercado de gás, o ministro afirmou que essa medida era uma das principais fontes de descontrole de gastos, assim como a Previdência e a taxa básica de juros da economia — que tinha como consequência também a valorização do câmbio. "Quebramos essa dinâmica perversa", comentou.

Guedes destacou ainda que essas políticas permitiram que BNDES e Caixa fossem desalavancados e começassem a devolver recursos que deviam ao Tesouro.

Segundo ele, embora o endividamento da União tenha crescido muito devido ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, ele reiterou que o que interessa é a trajetória futura de gastos, ainda que eles aumentem em 2020, de forma extraordinária.

"É importante manter trajetória futura de redução de gastos, mesmo com gasto de saúde em 2020", disse o ministro.

De acordo com Guedes, não faltarão recursos para a saúde. Guedes afirmou que os gastos do Brasil para enfrentar a pandemia estão crescendo mais do que em outros países emergentes e mais que na média dos avançados. "Não faltará proteção para os brasileiros", frisou.

O ministro mencionou o pagamento do auxílio emergencial e as transferências de recursos para estados e municípios. "Temos consideração pela população, é obrigação de Estado lançar camada de proteção", afirmou.

Sem citar o ex-presidente Lula (PT), que "agradeceu" o surgimento do novo coronavírus pelo reconhecimento da importância do Estado na Saúde, o ministro disse que o país não pode "tirar lições erradas" da crise. O ex-presidente pediu desculpas pela frase.

Guedes disse ainda que o BNDES é uma peça-chave para viabilizar o "choque da energia barata", como ele chama as medidas para abertura do novo mercado de gás. O ministro disse ainda que o marco regulatório do saneamento deve ser aprovado em breve no Congresso.

Economia