PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Até as 18h30, foram feitos 3,5 milhões de cadastros de chaves do Pix, diz BC

Fabrício de Castro

Brasília

05/10/2020 19h13

Nesta segunda-feira, 5, o Banco Central informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que registrou até as 18h30 de hoje um total de 3,5 milhões de cadastros de chaves no Pix - o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos. Hoje é o primeiro dia de cadastramento das chaves. Não há prazo para terminar. A avaliação do BC é de que os números representam um sucesso para o primeiro dia de cadastro de chaves.

Desde a manhã de hoje, alguns clientes vinham reclamado nas redes sociais de dificuldades para acessar alguns aplicativos de bancos. A chave de usuário é um identificador de contas do Pix. O cliente pode cadastrar um número de celular, e-mail, CPF, CNPJ ou um EVP (uma sequência de 32 dígitos a ser solicitada no banco). Por meio da chave, será possível receber pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano. O sistema começará a funcionar em 16 de novembro.

Como informou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, Bradesco e Itaú Unibanco tiveram instabilidade em seus aplicativos. Nenhum dos dois bancos, contudo, relacionaram a intermitência a uma maior procura dos clientes para cadastrarem suas chaves. O Bradesco informou que as equipes do banco estavam trabalhando para normalização total dos serviços. Já o Itaú Unibanco disse que o acesso ao aplicativo estava sendo restabelecido e que segue trabalhando para "eliminar qualquer instabilidade que ainda possa ocorrer".

Como informou o Broadcast, o BC habilitou 677 bancos, fintechs e cooperativas para o lançamento do Pix. Até o início da noite da última quinta-feira (1º), o BC havia publicado o aval para apenas 11 instituições começarem a operar o novo sistema de pagamentos. O salto do número de instituições habilitadas ocorreu na reta final, no fim da última semana.

Dentre os cinco maiores bancos do País, o Bradesco recebeu o aval na quarta-feira (30) para operar o Pix, enquanto Banco do Brasil, Itaú e Santander foram autorizados na quinta-feira à noite. A Caixa Econômica Federal foi a última a entrar na lista, na sexta-feira passada.

Essas instituições já vinham trabalhando para atender às exigências do BC e passar por testes de estresse, que buscam avaliar se elas estão preparadas para suportar determinado volume de pagamentos por segundo. Esses testes são importantes para garantir a efetividade e a segurança do Pix.

O sistema, que tem similares em outros países, vai ser usado para permitir pagamentos e transferências bancárias em tempo real. Os grandes agentes financeiros são obrigados a aderir, mas a ferramenta atraiu um número expressivo de cooperativas, fintechs e financeiras.