PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

'Davos do papa' discutirá 'nova economia' e combate à desigualdade social

16.set.2020 - Papa Francisco acena a fiéis no Pátio San Damaso, no Vaticano - Vincenzo Pinto/AFP
16.set.2020 - Papa Francisco acena a fiéis no Pátio San Damaso, no Vaticano Imagem: Vincenzo Pinto/AFP

Edison Veiga, especial para o Estado

16/11/2020 08h53

Era para ser um grande evento público, com participação de mais de 3.000 inscritos de cem países diferentes para debater, em Assis, na Itália, os rumos da economia atual.

Mas veio a pandemia e o encontro, com palestras de prêmios Nobel, acadêmicos e líderes empresariais convocados pelo papa Francisco, contudo, foi prorrogado de março para novembro. E agora, com a covid-19 ainda em estágio preocupante, ocorrerá online, entre os dias 19 e 21.

Apelidado de "a Davos do papa" —em alusão ao mais importante fórum econômico mundial—, o encontro mobiliza principalmente jovens católicos. No Brasil, eventos preparatórios começaram há um ano.

"Mais importante do que o próprio evento, é a amplitude das discussões pelo mundo afora", afirma o economista Ladislau Dowbor, professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

Para ele, o atual contexto mundial "é eticamente vergonhoso". "Não foram os pobres que criaram esta desigualdade. O mundo produz o equivalente a US$ 85 trilhões de bens serviços ao ano, o que dividido pela população mundial daria R$ 15 mil por mês por família de quatro pessoas", afirma Dowbor. "Uma desigualdade um pouco mais moderada poderia assegurar a todos uma vida digna e confortável."

Integrante da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação dos Frades Capuchinhos do Brasil, frei Marcelo Toyansk Guimarães destaca a importância dos vários encontros realizados no país como preparação para o evento, nos quais se discutiu o tema a partir da realidade brasileira.

"Houve um grande encontro na PUC e isso tem se replicado em cidades como Campinas, Piracicaba, Belo Horizonte, Marília, Porto Alegre e muitas outras."

Para o sociólogo Eduardo Brasileiro, que atua no coletivo Igreja Povo de Deus em Movimento e trabalha com educação popular e mobilizou os jovens brasileiros, o evento não se encerra em Assis.

"Aguardamos ansiosos o evento. Acreditamos que mais do que Assis nos pautar, nós pautaremos Assis com iniciativas reflexivas, de organização social e de mudança de paradigma."

Nova economia

Mas o que é, afinal, essa "nova economia" proposta por Francisco? "É uma provocação para um mundo em ruínas", diz Brasileiro. "O encontro convocado pelo papa deve olhar para o avançar da concentração de renda nas mãos de poucos e a miséria crescendo em vários países."

Já o vaticanista brasileiro Filipe Domingues, doutor pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, define a proposta como um contraponto ao pensamento dominante da economia mundial.

"Não é uma ruptura à economia capitalista, mas a defesa de uma economia não tão focada no crescimento econômico e sim na melhor distribuição de renda, no social, no que é melhor para as pessoas."

Domingues lembra que criticar problemas mundanos não é uma novidade de Francisco. Leão XIII (1810-1903), em sua encíclica Rerum Novarum, discutiu as agruras do operariado pós-Revolução Industrial, Paulo VI (1897-1978) demonstrou preocupação com o avanço da globalização, João Paulo II (1920-2005) defendeu o direito ao trabalho e Bento XVI criticou o fato de que a técnica está se sobrepondo ao ser humano.

"Há uma doutrina social da Igreja. Mas Francisco chega com uma crítica mais forte e mais objetiva. Ele fala que a economia tal como está é uma economia que mata", explica Domingues. "Antes, nenhum papa havia falado desta forma. Francisco aponta que a economia justa é aquela que dá terra, casa e trabalho para todo mundo. E isso não é uma crítica vazia. Ele diz que do jeito que está o mundo não vai mais funcionar. Para o papa, a gente pode e é capaz de ter um sistema mais justo."

Personalidades

Entre os participantes do evento, há nomes de peso como o economista e banqueiro bengali Muhammad Yunus, Nobel em 2006, o economista norte-americano Jeffrey Sachs, a ativista e ambientalista indiana Vandana Shiva, o sociólogo, ativista e escritor italiano Carlo Petrini e Pauline Effa, que atua no Fórum Internacional Social e de Economia Solidária.

"Nutro a esperança de que o evento seja o começo de uma jornada que, por mais trabalhosa e complexa que seja, valha a pena iniciar, que dela advenha um autêntico projeto de transformação - não apenas reformista - da ordem social atual", afirmou ao Estadão o economista italiano Stefano Zamagni, que está entre os palestrantes. "Progredimos com as raízes que desenvolvemos. E, para tal empreendimento, as raízes são profundas e muito vigorosas."

Meio ambiente

Em sua carta de apresentação, Francisco lembrou que o encontro não deve ser simplesmente católico. "Ele convocou todas as pessoas, mesmo aquelas que não têm o dom da fé", diz frei Guimarães.

As discussões devem trazer à tona problemas ambientais, tema caro ao papado de Francisco. "Estamos em um cenário de colapso ambiental e humano. Os primeiros prejudicados são os mais pobres", prossegue Guimarães. "O papa visa à sobrevivência da humanidade. Não há outro caminho, senão o cuidado com a casa comum, que hoje vem sendo atropelada."

Outro dos palestrantes confirmados, o economista Bruno Frey, professor da Universidade da Basileia, aponta as direções que seu pronunciamento deve tomar. "A crise climática é apenas um dos muitos desafios. Há ainda as questões de guerras, mobilidade, refugiados, pandemia", diz. "O importante é que a geração mais jovem apareça com ideias criativas para lidar com esses problemas de maneira humana."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.