PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Guedes: repique de covid-19 de agora não é segunda onda, como de outros países

Eduardo Laguna e Eduardo Rodrigues

São Paulo e Brasília

03/12/2020 18h53

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou nesta quinta-feira, 3, como um "repique", e, não, uma segunda onda de contaminação por covid-19 no Brasil, como acontece na Europa e nos Estados Unidos.

"A tragédia ainda está conosco. A doença parece dar repique porque afrouxamos o distanciamento social. Naturalmente, com menor distanciamento, há repique. Mas não é segunda onda como a de outros países", disse o ministro durante participação em encontro promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Na sequência, reconhecendo não ser um especialista no assunto, ele resolveu encerrar os comentários sobre o lado sanitário da crise.

Durante o evento, Guedes disse que tinha certeza de que a economia brasileira teria uma retomada em "V" porque o Brasil gastou "bem mais" do que a média dos países emergentes no enfrentamento do choque da pandemia.

O titular do ministério da Economia reafirmou a mensagem de que os estímulos emergenciais serão retirados à medida que a doença for sendo controlada, dando lugar a um crescimento baseado em investimentos, com a retomada da agenda de reformas.

Ao tratar dos planos de desestatização, ele frisou que dezenas de aeroportos e ferrovias serão privatizados em 2021.

Também repetiu a sua previsão de recuperação completa dos empregos perdidos na chegada da pandemia no Brasil. Ao lembrar que o País criou 1 milhão de vagas de trabalho formais entre julho e outubro, Guedes disse que o Brasil continuará criando emprego no último bimestre e deve terminar 2020 zerando os 1,2 milhão de postos com carteira assinada eliminados de abril a junho.

"Pode ser que a gente chegue ao fim do ano com zero perda de empregos formais", assinalou o ministro, que aproveitou a ocasião para contrastar o dado com os 2,6 milhões de empregos perdidos na recessão de 2015/2016.