PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

'Auxílio emergencial foi mal desenhado', aponta economista do Insper

Auxílio emergencial teve um dos piores desenhos que se poderia imaginar, segundo Ricardo Paes de Barros, pesquisador do Insper  - Rafael Henrique/Getty Images
Auxílio emergencial teve um dos piores desenhos que se poderia imaginar, segundo Ricardo Paes de Barros, pesquisador do Insper Imagem: Rafael Henrique/Getty Images

Idiana Tomazelli e Murilo Rodrigues Alves

Brasília

10/03/2021 13h01Atualizada em 10/03/2021 13h43

O economista Ricardo Paes de Barros, pesquisador do Insper e um dos maiores especialistas do País em políticas sociais, critica o desenho "essencialmente cego" do auxílio emergencial atual e destaca que a previsão do governo, de beneficiar ao menos 40 milhões de pessoas nesta segunda rodada, está muito acima do número atual de desempregados. "Se tiver um campeonato de programa mal desenhado, o auxílio emergencial ganha disparado."

Para ele, é preciso rever a lógica dos gastos mínimos com saúde e educação para dar maior flexibilidade na aplicação dos recursos. Antes de definir um orçamento fixo, o especialista defende primeiro estabelecer um plano plurianual de despesas, com objetivos claros, e só então criar um fundo nacional com dinheiro para bancá-las. Confira os principais trechos da entrevista.

O auxílio emergencial ainda não saiu. Como aumentar a rede de proteção no pior momento da pandemia?

O auxílio emergencial teve um dos piores desenhos que se poderia imaginar. Beneficiou 70 milhões de pessoas, enquanto no máximo 10 milhões ou 12 milhões perderam o trabalho durante a pandemia, e o salário daqueles que não perderam o trabalho não caiu. Se considerar os que já vinham desempregados, dá 20 e poucos milhões. O auxílio emergencial é um benefício grande demais, para um número de pessoas grande demais. Na entrada da crise, quando você não sabe o que vai acontecer, é uma boa ideia. Mas a gente não pode continuar com um programa essencialmente cego. Tivemos meses e meses para descobrir quem realmente precisa, para começar 2021 com um programa muito bem focalizado. O auxílio é hoje uma coisa que não faz nenhum sentido. Se tiver um campeonato de programa mal desenhado, o auxílio emergencial ganha disparado. Ele parte do princípio de que a crise é muito mais ampla do que é, e isso leva a um custo muito maior do que somos capazes de suportar.

O governo engavetou momentaneamente a reformulação do Bolsa Família para atender aos anseios políticos de dar uma nova rodada de auxílio emergencial. Essa escolha está equivocada?

O auxílio emergencial foi uma oportunidade ímpar para melhorar o Bolsa Família. Para isso, precisaria estar mais em contato com as famílias pobres. Precisa é usar os 250 mil assistentes sociais que temos espalhados pelo Brasil para realmente conhecer quem são os cinco milhões de famílias (invisíveis). A retomada da economia é muito importante, mas esses trabalhadores vão precisar de apoio para se reinserir, com assistência técnica, financeira, formação, capacitação, crédito. Isso vai ser impossível se não analisar caso a caso. A política social é feita lá na ponta.

O governo fala em 40 milhões de pessoas, incluindo beneficiários do Bolsa Família. É por aí?

Não temos 40 milhões de trabalhadores desempregados ou sem trabalho. Tem uns 20 milhões e poucos, e 12 milhões já estavam desempregados antes da pandemia. A gente pode querer ajudá-los, mas é para isso que serve o seguro-desemprego, o Bolsa Família.

O número continua alto?

Se for 40 milhões de adultos em idade ativa, parece gigantesco e vai custar uma fortuna. Precisamos saber quem realmente precisa. Não pode é do nada chegar à conclusão de que existem 40 milhões de pessoas que precisam, que eu não sei quem são e vou continuar sem saber, e gastar esse dinheiro todo para uma transferência que eu não sei se realmente preciso fazer. Gastar cegamente com auxílio emergencial parece ser a pior coisa a ser feita.

Qual é a sua avaliação sobre os mínimos em educação e saúde?

O projeto de saúde é de longo prazo, construir um hospital, equipar, ter os médicos. Você precisa ter um plano de ação que diz o que vai fazer a cada ano, quanto vai custar e por que vai fazer aquilo naquele ano. Precisa ter um plano plurianual de como investir. E só por um acaso muito raro, o gasto com esse plano todo ano vai ser uma porcentagem fixa da arrecadação.

O que o sr. sugere?

A gente está pensando em financiar alguma coisa que a gente não sabe o que é. Primeira coisa é: qual é o projeto educacional brasileiro, quanto ele custa? Uma maneira de financiar isso é criar um fundo plurianual, onde se coloca, por exemplo, 25% de tudo que arrecada. O fundo é uma tentativa de levantar os recursos para esse plano, não o contrário, eu faço o fundo e você inventa uma maneira de gastar o dinheiro.

O plano e o fundo criariam incentivos para investir melhor?

Vai ter um incentivo para ter um plano educacional sempre afinado, sempre baseado em evidência. Se eu digo 'você tem o dinheiro', qual é a pressão em cima do secretário de Educação? Gastar o dinheiro. Ele não precisa ter um plano, chega no final do ano, ele gasta de qualquer jeito. Se você diz 'eu vou te dar o dinheiro, mas você tem que vir trazer um plano', eu teria um plano de educação sendo revisitado o tempo todo.

A ideia então é mudar a lógica, o mais importante é o plano plurianual?

Brasil já gasta R$ 1,5 trilhão na área social, não é uma questão de falta de recurso. Um plano não é 'quero construir uma ponte através desse rio'. O plano é como é a ponte, desenhar, mostrar que ela vai ficar de pé. A lógica tem que ser revertida, vamos ter o projeto e correr atrás de dinheiro. A gente devia estar cobrando mais como o dinheiro vai ser gasto.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PUBLICIDADE