PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Guedes diz ter ficado 'muito fora' de crise entre Febraban, BB e Caixa

Após a proposição de manifesto pela democracia, bancos públicos ameaçaram deixar Federação; Guedes disse que Febraban teria sugerido mudar teor do texto - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Após a proposição de manifesto pela democracia, bancos públicos ameaçaram deixar Federação; Guedes disse que Febraban teria sugerido mudar teor do texto Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Eduardo Rodrigues e Idiana Tomazelli

Brasília

03/09/2021 19h28

O ministro da Economia, Paulo Guedes, alegou hoje que não se envolveu na crise entre os bancos públicos - Caixa e Banco do Brasil - e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Após a entidade apoiar manifesto da Fiesp pela democracia, os dois bancos controlados pelo governo ameaçaram de desfiliar da instituição da qual são membros fundadores.

"Fiquei muito fora desse episódio, só fiquei sabendo sexta-feira passada. Fui comunicado por alguém do governo que me disse que estavam tentando fazer um movimento do qual um banco público não deveria participar. Um presidente de banco público disse que não poderia assinar documento que atacava o governo federal, que é dono do banco", argumentou, em participação no "Scoop Day", organizado pelo TC. "Outro empresário me ligou e disse que abria mão do movimento, porque ele estava sendo desvirtuado. O documento pedia moderação a todos os Poderes", completou.

O ministro relatou que a Febraban entrou em contato com ele para dizer que não queria atacar ninguém, mas sim pacificar. "Então aparentemente, saiu o documento para pacificar e os bancos públicos parece que disseram que não vão sair da Febraban, então parece ter amansado tudo, é o que eu espero", avaliou.

7 de setembro

Guedes disse acreditar que não haverá confusões nas ruas na próxima terça-feira (7). "Tenho certeza que presidente Jair Bolsonaro está fazendo celebração ao 7 de setembro e ponto, pacífica. Com o passado militar dele, o amor à bandeira e à nação. Até hoje, todas as celebrações que eu vi foram de muita gente de verde e amarelo, sem confusão, imagino isso", acrescentou. "Reafirmo minha confiança de que são movimentações pacíficas, a celebração de independência. Um dia depois da celebração, todas as instituições estarão trabalhando de novo", concluiu.

PUBLICIDADE