PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

PT diz que vai ao STF contra extinção do Bolsa Família pelo governo Bolsonaro

Fim do Bolsa Família põe população em "maior vulnerabilidade", justifica Gleisi Hoffmann, presidente do PT - Marina Ramos/Câmara dos Deputados
Fim do Bolsa Família põe população em "maior vulnerabilidade", justifica Gleisi Hoffmann, presidente do PT Imagem: Marina Ramos/Câmara dos Deputados

Bruno Luiz

Salvador (BA)

17/11/2021 21h57Atualizada em 17/11/2021 22h07

O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou nesta quarta-feira, 17, que vai ingressar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a extinção do programa Bolsa Família pelo governo Bolsonaro.

Segundo a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, a petição deve ser encaminhada à Corte na próxima semana. A sigla ainda avalia quais medidas serão pedidas na ação.

"O fim desse programa sem um programa estruturado em seu lugar, com regras claras, coloca a população em um estado de maior vulnerabilidade. Seria com base na Constituição", declarou Gleisi durante entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara, ao lado de correligionários.

O líder do PT na Câmara, Bohn Gass (PT-RS), disse que, dos 39,3 milhões de beneficiários do auxílio emergencial, o número caiu para 14,5 milhões com o Auxílio Brasil — pelas contas dos petistas, 24,8 milhões de pessoas ficaram sem nenhuma renda.

"São milhões de pessoas que vão engrossar a fila do osso nos açougues, num momento em que os preços dos alimentos disparam, a inflação é alta, os salários estão congelados e o desemprego atinge milhões de pessoas", disse.

O Bolsa Família teve a última parcela paga em 29 de outubro, sendo substituído pelo Auxílio Brasil. O novo programa, no entanto, foi instituído por Medida Provisória, ainda não aprovada pelo Congresso. Segundo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o piso do benefício será de R$ 400.

Mas, para isso, é necessária aprovação da PEC dos Precatórios pelo Senado, que abriria espaço no teto de gastos para pagar o valor. No entanto, só haveria recursos para manter os R$ 400 até o fim de 2022, ano da eleição presidencial.

PUBLICIDADE